Morre "Floco de Neve", um raríssimo gorila albino

Ele era o único gorila albino conhecido no mundo, pelo menos o único em cativeiro. Quando morreu, hoje, no zoológico de Barcelona, não foi só uma cidade que perdeu seu mascote mais amado, o mundo científico também perdeu uma de suas criaturas mais raras.Em setembro, já se sabia que Floco de Neve não viveria muito. Assim que os funcionários anunciaram que sua morte era iminente, os barcelonenses passaram a aglomerar-se no zôo, para dizer adeus ao seu emblemático, embora freqüentemente mal-humorado, mascote, tão intimamente associado à cidade nos últimos 37 anos. Em todo esse tempo de cativeiro, ele foi pai de 22 proles com três fêmeas diferentes. Nenhum de seus filhos é albino.Ele estava morrendo de câncer de pele desde 2001 e, hoje, os funcionários do zôo acharam que era preciso abreviar sua sofrimento através da eutanásia. ?Até o fim, Floco gozou de uma qualidade de vida fantástica, vivendo entre seus filhos e netos?, diz o chefe do zôo e veterinário Jesus Fernandez ?Mas, ultimamente, ele vinha deteriorando-se rapidamente. Nos últimos quatro ou cinco dias, notamos sinais de dor e sofrimento e decidimos pela eutanásia.?Floco de Neve, que deveria ter entre 38 e 40 anos ? o equivalente a 80 anos humanos ? ?foi amado por crianças e mais crianças de todo o mundo?, disse o prefeito de Barcelona, Joan Clos. ?Floco foi um companheiro inesquecível de nossa cidade e todos sentiremos sua perda. Ele fez uma grande contribuição para sua espécie, tornando a situação dos gorilas melhor conhecida e o melhor que podemos fazer por ele, agora, é continuar esse trabalho.?Por anos, as caretas de Floco estiveram nos cartões postais de Barcelona. Ele foi também o personagem principal de um romance e até memórias foram escritas em seu nome. A cidade planeja criar um espaço educacional sobre gorilas no zôo, num esforço para ensinar visitantes sobre os perigos de enfrentar gorilas na selva. Haverá, também, um arquivo científico sobre a vida de Floco e, possivelmente, uma estátua no zôo para lembrar o gorila albino.Será feita uma autópsia no corpo antes que pedaços do animal, como pequenas amostras de pele, DNA e fluidos corpóreos, sejam distribuídos entre cientistas. O esqueleto do gorila também será preservado, mas apenas para estudos científicos e não para exposição pública, informou um funcionário da prefeitura.Embora Floco de Neve fosse uma curiosidade científica, seu corpo tem importância científica relativa, diz Fernandez. Não se tem estudos suficientes para se saber quantos albinos gorilas podem viver na selva, mas eles são muito raro e Floco foi o único albino conhecido a sobreviver no mundo, segundo o veterinário.

Agencia Estado,

24 de novembro de 2003 | 10h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.