Morre Richard Smalley, precursor da nanotecnologia

O cientista americano Richard Smalley, que compartilhou em 1996 o Prêmio Nobel de Química, morreu sexta-feira, de câncer, aos 62 anos de idade, informou a Universidade de Rice, no Texas, onde era professor. Ele recebeu o prêmio pela descoberta dos fulerenos, ou buckybolas - forma pura antes desconhecida do elemento Carbono em que os átomos se organizam como uma cúpula geodésica. Ele teve o câncer diagnosticado em 1999 e lutou contra a doença durante seis anos. De acordo com a universidade, Smalley morreu no Centro Oncológico Anderson de Houston, cercado por familiares e amigos.Considerado um dos precursores da nanotecnologia, em depoimento ao Congresso dos EUA em 1999, Smalley afirmou: "O impacto da nanotecnologia (materiais e dispositivos na escala de um nanômetro, ou milionésimo de milímetro) na saúde, na riqueza e no padrão de vida das pessoas será no mínimo equivalente às influências combinadas da microeletrônica, do diagnóstico por imagens, da engenharia computadorizada e dos polímeros artificiais neste século (20)." Admirável mundo novo - Em 1996, Smalley compartilhou o Nobel de Química com seu colega da Universidade de Rice, Robert Curl, e com o químico britânico, Harold Kroto. Após receber o prêmio, Smalley promoveu o desenvolvimento da tecnologia que consiste na miniaturização em nível atômico. Segundo assinalava, esse processo poderia solucionar muitos problemas, especialmente os derivados do campo energético. A nanotecnologia também poderia ser utilizada no combate ao câncer. A área, que abrange a criação de aparelhos microscópicos, é considerada promissora para a obtenção de novas formas de diagnóstico e tratamento da doença em estágio inicial e com poucos efeitos colaterais. Mas a nova tecnologia também apresenta riscos latentes. Entre eles, um dos mais eloqüentes, é a ameaça de dispositivos nanoscópicos capazes de produzir cópias de si mesmos, que poderiam um dia cobrir o planeta e torná-lo inabitável.

Agencia Estado,

29 de outubro de 2005 | 06h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.