Movimento ecumênico espera unificar as Páscoas cristãs

Proposta prevê o uso de dados astronômicos para determinar o equinócio de primavera, base do cálculo

Associated Press,

28 de maio de 2009 | 14h52

O maior movimento ecumênico da cristandade tem a esperança de que as igrejas estejam se aproximando de uma Páscoa comum para os cristãos do mundo, a despeito de um debate histórico quase tão antigo quanto a religião.

 

linkDiscursos do papa são destaques na imprensa em Israel

linkOrtodoxos comemoram o Natal

linkAntes heresia, astronomia agora ganha dinheiro da Igreja

 

Congregações católicas e protestantes celebrarão sua crença na ressurreição de Jesus no mesmo dia que as igrejas ortodoxas em 2010 e 2011, por conta de uma coincidência dos calendários juliano e gregoriano. O feriado comum ocorreu três vezes nesta década.

 

Mas o Conselho Mundial de Igrejas diz que um consenso está emergindo e que essas não deveriam ser apenas ocorrências ocasionais.

 

Em uma reunião recente em Lviv, na Ucrânia, teólogos representando praticamente toda a cristandade concordaram, em princípio, numa estratégia para que todos os fiéis sigam observando a festa juntos.

 

 "Não se trata de um problema de princípio, de dogma ou doutrina", disse Juan Michel, porta-voz do conselho, composto por 350 denominações, entre protestantes, ortodoxos e outros. A Igreja Católica não é um membro, mas coopera com a organização.

 

"É mais uma questão pastoral para algumas igrejas", disse Michel. "Há preocupações sobre como os fiéis vão se sentir se houver uma mudança no modo de calcular a data".

 

A confusão sobre a data histórica da Páscoa começou nos primórdios da cristandade, conformes diferentes grupos interpretavam os Evangelhos diferentemente.

 

Segundo Mateus, Marcos e Lucas, a última refeição que Jesus partilhou com os discípulos foi a ceia da Páscoa judaica, enquanto que o Evangelho de João diz que Jesus morreu no dia da refeição de Páscoa, e a última ceia teria sido uma refeição anterior.

 

As principais autoridades cristãs tentaram estabelecer uma data comum no Concílio de Niceia, determinando o primeiro domingo depois da Lua cheia após o equinócio de primavera.

 

O problema, antes do advento da astronomia moderna, era calcular o equinócio. As igrejas ortodoxas usam o dia 21 de março do calendário juliano, mas desde o século 16 o Ocidente usa as datas do calendário gregoriano. A diferença resultante pode chegar a cinco semanas.

 

O conselho disse que teólogos do Vaticano e de várias igrejas ortodoxas e protestantes endossaram um compromisso, no último dia 15, dizendo que a Páscoa deveria ser calculada a partir de um equinócio determinado por dados astronômicos precisos.

 

De acordo com esse plano, a Páscoa unificada cairia onde geralmente cai para católicos e protestantes, disse Dagmar Heller, chefe da comissão de ordem e fé do conselho.

 

Nos próximos 15 anos, a única vez em que as igrejas ocidentais terão de mudar a Páscoa será em 2019, passando de 21 de abril para 24 de março. O maior ajuste terá de ser feito pelas igrejas ortodoxas.

 

"Obviamente há alguns ortodoxos fundamentalistas que dizem 'o calendário juliano é nossa tradição e era usado no tempo de Jesus, portanto não podemos mudar'", disse Heller, acrescentando que alguns líderes orientais poderão temer cismas por conta disso.

 

"E, claro, há a questão de o dado astronômico ficar mais próximo do calendário gregoriano, que foi introduzido por um papa", disse ela, referindo-se a Gregório XIII, que reformou o calendário em 1582.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.