Mudança climática ameaça repúblicas da Ásia Central

Aquecimento é principal causa da migração massiva de cidadãos das repúblicas para a Rússia

Efe

08 de julho de 2008 | 15h00

A mudança climática é a principal causa da migração massiva de cidadãos das repúblicas da Ásia central para a Rússia, e pode levar a uma catástrofe humanitária global, afirmou nesta terça-feira, 8, o Fundo Mundial para a Natureza (WWF) na Rússia.  "As repúblicas da Ásia Central estão à beira de uma catástrofe", disse Alexéi Kokorin, coordenador do programa russo da WWF sobre a mudança climática, citado pela agência Novi Reguion.  Segundo o ativista, "se a comunidade internacional não ajudar logo o Tajiquistão, Usbequistão e outras Repúblicas dessa região, vítimas da mudança climática, será impossível evitar uma tragédia." Na opinião do representante da ONG britânica Oxfam, Nicolas Kolloff, a mudança climática na Ásia Central levará inevitavelmente a um aumento do número de emigrantes forçados dessa região.  "A mudança climática leva à aparição de uma nova categoria de refugiados, a parte pobre da população forçada a emigrar como conseqüência dos processos climáticos perigosos", disse. Segundo Kolloff, "é necessário tomar medidas urgentes, ou as pessoas que vivem na pobreza terão uma vida ainda mais difícil." O aumento de dois graus nas temperaturas médias do Tajiquistão será uma verdadeira catástrofe para seus habitantes que trabalham no campo, sublinhou.  Remessas enviadas por migrantes constituem 36% do PIB do Tajiquistão, segundo dados do Banco Mundial. No entanto, esse número não inclui o dinheiro que os trabalhadores no exterior mandam para casa por meio de amigos ou familiares.  No ano passado, os imigrantes enviaram para seu país mais de US$ 1.600 milhões. Na realidade, para o cientista político Saimiddin Dustov, o país recebeu mais de US$ 2 milhões em remessas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.