Mulher que agrediu o papa Bento XVI é hospitalizada

Susanna Maiolo, de 25 anos e nacionalidade ítalo-suíça, sofre de problemas psíquicos, diz porta-voz do Vaticano

Efe,

25 Dezembro 2009 | 07h57

A mulher que agrediu o papa Bento XVI antes da Missa do Galo na noite de quinta, 24, foi hospitalizada, segundo informou nesta sexta o porta-voz do Vaticano Federico Lombardi. O cardeal que também foi atingido por ela terá que ser submetido a uma cirurgia.

 

Veja também:

No Natal, papa pede fim da violência no Oriente Médio

 

A mulher, que foi identificada como Susanna Maiolo, de 25 anos e nacionalidade ítalo-suiça, foi "internada por sofrer de problemas psíquicos", disse Lombardi. É a mesma que burlou a segurança do pontífice em uma cerimônia no ano passado, disse um funcionário do Vaticano. Ao final da Missa do Galo de 2008, Susanna pulou a barreira de proteção e chegou perto do papa, mas foi rapidamente imobilizada pelos guardas de segurança. Em ambas as ocasiões a mulher usava um casaco vermelho.

 

Assista ao vídeo que captura o momento do ataque ao papa:

 

 

Ontem, o papa sofreu uma queda quando Susanna tentou agarrá-lo, fazendo-o perder o equilíbrio, mas após o incidente o padre Ciro Benedettini disse que o pontífice se levantou rapidamente e não sofreu nenhum ferimento. Bento XVI, 82, continuou calmamente o seu percurso até o altar e deu início à Missa do Galo. O papa quebrou a tradição este ano e celebrou a missa antes da meia-noite, segundo informou o Vaticano, em razão de sua idade avançada.

 

Bento XVI está "bem" e vai pronunciar hoje a Mensagem de Natal e dará a bênção Urbi et Orbi, ao meio-dia do balcão da Basílica que dá para a Praça São Pedro, como estava previsto, assegurou o porta-voz. 

 

"Vocês poderão ver que o Sumo Pontífice está bem", acrescentou, ao recordar que a bênção é pronunciada em cerca de sessenta línguas. "O que aconteceu não é o fim do mundo, comentou, ao referir-se à agressão.

 

Ao tentar alcançar o papa, Susanna derrubou no chão também o cardeal francês Roger Etchegaray, de 87 anos, que fazia parte da procissão, e que teve de ser hospitalizado na Policlínica Gemelli, de Roma.

 

O porta-voz do Vaticano disse hoje que o cardeal terá que ser operado do fêmur. Lombardi assegurou que as condições de Etchegaray são "boas".

 

(Atualizada às 16h50 para acréscimo de informações)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.