Mulher que recebeu transplante de rosto se recupera bem

A mulher de 38 anos que recebeu um transplante parcial de rosto na França "vai bem" e os resultados superam as expectativas, destacaram nesta sexta-feira os chefes das duas equipes médicas responsáveis pela operação, inédita no mundo."A paciente vai bem do ponto de vista clínico, psicológico e imunológico", disse o chefe do serviço de transplantes do Hospital Universitário de Lyon, Jean-Michel Dubernard, que realizou em 1988 o primeiro transplante de mão.O chefe do serviço maxilofacial do hospital universitário de Amiens, Bernard Devauchelle, apontou na mesma entrevista que, após a intervenção cirúrgica realizada entre domingo e segunda-feira, tiveram "a boa surpresa" de que a "coloração e a textura" do implante apresentavam um resultado "além de nossas esperanças".O transplante de queixo, boca, nariz e parte da bochecha foi efetuado a partir da doação de uma mulher com morte cerebral encefálica no hospital universitário de Lille."Não houve qualquer problema pós-operatório", comemorou Devauchelle ao revelar que a primeira palavra dita pela mulher, quando retirou o tudo da traqueostomia, foi "obrigada".Para evitar o risco de rejeição, a paciente, que foi gravemente desfigurada pelas mordidas de um cachorro, foi submetida a um forte tratamento imunológico e recebeu infiltrações de células da medula óssea da doadora, contou Dubernard."Fizemos o máximo para garantir o êxito da operação porque não tínhamos direito de errar com essa paciente", afirmou.O professor acrescentou que a paciente foi devidamente informada de todos os riscos que enfrentava por tratar-se de uma pioneira, inclusive a possibilidade de desenvolver câncer.Entre os transplantados, 1% podem ter linfomas. Um terço morre, outro terço rejeita o implante e o resto se recupera bem, alertou Dubernard.

Agencia Estado,

02 de dezembro de 2005 | 13h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.