Shahzada Khan / Gladston Institutes
Shahzada Khan / Gladston Institutes

Mulheres podem ter risco maior de infecção de zika, diz estudo

Cientistas descobriram que os vírus de RNA enfraquecem sistema imunológico vaginal, retardando a resposta das defesas do organismo

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

16 de novembro de 2016 | 15h26

Os vírus de RNA, como o zika, enfraquecem o sistema imunológico vaginal, retardando a resposta das defesas do corpo à infecção e dificultando a detecção do vírus na vagina - o que pode aumentar o risco de infecção do feto durante a gravidez. A conclusão é de um estudo publicado nesta quarta-feira, 16, na revista científica Journal of Experimental Medicine.

O novo estudo foi liderado por cientistas dos Institutos Gladstone, ligados à Universidade da Califórnia em São Francisco (Estados Unidos). De acordo com os autores do artigo, a descoberta sugere que as mulheres são mais suscetíveis à transmissão sexual de vírus de RNA e que elas têm mais dificuldade que os homens para eliminar a infecção do organismo.

"Nossa pesquisa reforça os estudos epidemiológicos que mostram que as mulheres têm um risco maior de infecção por zika. Além disso, o amortecimento da resposta imune vaginal é especialmente preocupante, porque dá ao vírus mais tempo para se espalhar e chegar ao feto, se a mulher estiver grávida ou engravidar durante a infecção", disso o autor principal da pesquisa, Shomyseh Sanjabi, dos Institutos Gladstone.

Na pesquisa, os cientistas infectaram camundongos de forma sistêmica - como acontece na infecção pela picada do mosquito Aedes aegypti - e também através da vagina.

Normalmente, células infectadas liberam as moléculas conhecidas como interferon, como uma primeira linha de defesa contra a infecção. O interferon inicia o combate ao vírus e - o que é mais importante - alerta as células vizinhas que o corpo está sendo atacado, desencadeando a reação de todo o sistema imunológico. 

Depois de três dias, os animais que foram infectados sistemicamente apresentaram uma forte resposta do interferon e começaram a eliminar o vírus do organismo. Enquanto isso, os animais infectados por via vaginal ainda tinham níveis extremamente altos do vírus na vagina e nenhum sinal de interferon.

"Ficamos muito surpresos com a ausência de resposta de interferon. Essa molécula é liberada como um primeiro passo da resposta imune e o fato de ela não ter sido detectada na vagina é muito alarmante. Sem interferon, o resto do sistema imune não pode ter sua ação desencadeada de forma eficiente, tornando extremamente difícil para o corpo lutar contra infecções virais", disse outro dos autores do estudo, Shahzada Khan.

O sistema imunológico só começou a responder cerca de uma semana depois da infecção, quando o vírus já havia se espalhado até o tecido linfoide - um tipo de tecido conjuntivo presente em órgãos ligados ao sistema linfático.

Quando os cientistas aplicaram na vagina uma droga anti-inflamatória, os interferons foram liberados na vagina e os camundongos ficaram protegidos do vírus da zika. Os animais tratados com a droga e expostos à zika por via vaginal conseguiram eliminar completamente o vírus dois dias após a infecção.

Segundo os cientistas, drogas anti-inflamatórias semelhantes poderiam ser um caminho para proteger mulheres contra a zika transmitida sexualmente, mas é preciso realizar mais pesquisas para avaliar a segurança dessas drogas durante a gravidez.

Os pesquisadores validaram seus resultados com um outro vírus de RNA chamado vírus da coriomeningite linfocitária (CML), típico de roedores. Os resultados foram parecidos com os obtidos com o vírus da zika, sugerindo que a resposta imune enfraquecida não ocorre apenas com o zika, mas pode ter estendida a outros vírus de RNA, como o HIV.

Os vírus de RNA como os do ebola ou da hepatite C, armazenam seu código genético na forma de RNA, enquanto outros vírus, como o da herpes, ou da catapora, armazenam a informação genética em DNA.

"Há algo único acontecendo no trato reprodutivo feminino, que faz com que as mulheres sejam particularmente vulneráveis aos vírus de RNA. Nosso próximo objetivo é descobrir por que isso acontece - se é um mecanismo de defesa liberado pelos próprios patógenos, ou uma lacuna imunológica no tecido vaginal", disse Sanjabi.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.