Múmia de 2.300 anos é apresentada no Egito

Uma múmia de 2.300 anos, extraordinariamente bem preservada, portando uma máscara de ouro e coberta por imagens de deuses e deusas, foi exibida hoje ao público no complexo de Pirâmides Saqqara, ao sul do Cairo. A múmia, não identificada, data da última dinastia faraônica, que governou o Egito entre 378 a.C. e 341 a.C. A múmia havia sido encerrada em um sarcófago de madeira e enterrada em areia no fundo de um poço de seis metros, antes de ser descoberta por uma equipe de arqueólogos dirigida por um egípcio. "Descobrimos aquela que pode ser a múmia mais bonita já encontrada no Egito", declarou Zahi Hawass, chefe do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Amr Nabil/AP enquanto ajudava a remover a tampa do sarcófago, para mostrar a descoberta. Hawass afirmou que, até a próxima semana, os especialistas usarão equipamentos de tomografia a fim de revelar mais detalhes sobre a identidade deste antigo egípcio.Depois disso, a múmia será exibida no Museu Saqqara, de Imhotep, o famoso arquiteto que projetou a Pirâmide de degraus - a mais antiga do Egito. A múmia, encontrada dois meses atrás, estava coberta dos pés à cabeça por um material colorido que mostram uma série de cenas, incluindo a Deusa Maat, do equilíbrio e da verdade, exibida com braços abertos em forma de asas com penas. "Os artistas que fizeram essa múmia há mais de 2 mil anos demonstraram o brilhantismo dos antigos egípcios ao usar cores atordoantes e retratar tão bem um rosto humano", afirmou Hawass. Saqqara, a cerca de 20 quilômetros ao sul do Cairo, é um dos pontos turísticos mais populares do Egito e tem uma coleção de templos, túmulos e complexos funerários. Amr Nabil/APDetalhe da decoração da múmia recém-descoberta

Agencia Estado,

03 de maio de 2005 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.