Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão
Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mundo de oportunidades

O que o homem está fazendo não é acabar com a natureza – ele está em via de se suicidar

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2020 | 05h00

Quando observamos a destruição de ecossistemas resultante de nossa falta de respeito pelo planeta, pensamos em extermínio e morte. Mas essa atividade do Homo sapiens tem outro lado: ela cria um mundo de oportunidades a outros seres vivos. 

Se você tem um móvel de madeira, ele vai seguramente ser atacado por cupins. Basta deixar uma roupa úmida no armário para os fungos começarem a se proliferar. Lixo atrai ratos, comida apodrece atacada por microrganismos e por aí vai. Desde que surgiram no planeta há 3 bilhões de anos, os seres vivos, pressionados pela seleção natural, evoluíram e aos poucos passaram a crescer por todo o planeta. Dos mares foram à terra firme, da terra ao ar e, para cada minúsculo ambiente, o processo evolutivo selecionou seres vivos capazes de ocupá-lo. 

Se existe água sulfurosa no fundo do mar, lá encontramos seres vivos capazes de utilizar enxofre como fonte de energia. Altas montanhas, frestas nas rochas? Lá estarão seres vivos. Fezes são transformadas em bolotas por besouros. Insetos colonizam o interior de outros insetos, carrapatos sugam o sangue de mamíferos e morcegos imitam carrapatos. Se é possível comer as poucas raízes presentes no deserto seguramente vamos encontrar lá um rato que vive em túneis escuros consumindo essas raízes. Se um tronco cai na floresta, fungos vão lá destruí-lo. 

Se você não enxuga entre os dedos do pé, um fungo vai achar esse ambiente acolhedor. No mundo, o difícil é encontrar ambientes desprovidos de seres vivos. E, quando os cientistas encontram um lugar realmente morto, ficam desconfiados: será que não existe mesmo nenhum ser vivo lá?

Não apenas os seres vivos ocupam todos os nichos possíveis, mas há uma competição feroz entre eles pela ocupação de cada um dos nichos. Leões e leopardos disputam as gazelas, que disputam o capim com outros herbívoros. E espécies de gramíneas disputam cada metro quadrado das savanas. Essa disputa não é diferente da que ocorre entre bactérias que habitam nosso intestino ou fungos que querem dominar o espaço úmido entre nossos dedos metidos em sapatos abafados. 

O resultado dessa disputa por espaço é que nenhum ambiente no planeta fica desprovido de vida por muito tempo. A perda de espaço no planeta por um ser vivo é uma grande oportunidade de expansão a outros seres vivos. É assim há 3 bilhões de anos, e é isso que faz da vida um processo tão resiliente.

Como toda espécie que tem sucesso, o ser humano tem criado grandes oportunidades a outras formas de vida. Quando construímos cidades, matamos árvores, mas demos espaço a pulgas e ratos que nos acompanham nos esgotos. Baratas também comemoram. Com o surgimento da agricultura, não somente destruímos a vegetação nativa, mas demos grande chance para o milho se espalhar. Cães, gatos, galinhas e bovinos não seriam tão abundantes se não fosse por nossa ajuda. E aves enjauladas são um ótimo ambiente para insetos e vírus. 

Aglomerações criaram ambiente propício a parasitas e vírus, que passaram a festejar a oportunidade de viver no interior de seres humanos. O novo coronavírus está nesse grupo. Uma floresta cortada e queimada é uma visão deprimente, mas um novo ambiente propício para insetos e plantas.

É por isso que não me preocupo com o destino da vida na Terra. O homem pode cortar, queimar, derrubar, poluir e aprontar todas. Se ele continuar nesse ritmo, na verdade, vai destruir o ambiente que ele mesmo precisa para viver: água potável, atmosfera limpa, terras férteis, temperatura e umidade compatíveis com nossa vida. E, se isso deixar de existir, ele vai desaparecer e aí sim vai criar um mundo de oportunidades para seres vivos prontos para ocupar nosso espaço. Vai demorar, mas espécies semelhantes às que estamos destruindo ressurgirão, assim como a vida se recuperou depois de desastres como a queda do meteoro que destruiu os dinossauros. 

Desse ponto de vista, o que o homem está fazendo não é acabar com a natureza - ele simplesmente está em via de se suicidar, e quando isso ocorrer, ao longo de milhões de anos, a biodiversidade do planeta vai se recuperar. Não quero que guepardos e baleias desapareçam, mas nossa preocupação de longo prazo não deve ser com a vida na Terra e sim com nosso lento suicídio.

*É BIÓLOGO

Tudo o que sabemos sobre:
biodiversidadeagriculturacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.