"Mundo está carente de lideranças", diz FHC

O presidente Fernando Henrique Cardoso encerrou hoje o encontro de especialistas na área ambiental dos países que integram a Bacia Amazônica, realizado na Granja do Torto, afirmando que o mundo atual está carente de lideranças, pela falta de compreensão e visão dos problemas decorrentes do processo de globalização. Ele aceitou o desafio, lançado pelos participantes do encontro coordenado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), de assumir a liderança de um movimento mundial pelo desenvolvimento sustentável da Amazônia, tanto no processo de discussão de preparação para a reunião de Cúpula Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Rio + 10) - que será realizada na África do Sul, em setembro - quanto depois, quando deixar o comando do governo brasileiro.Na avaliação de ambientalistas como a presidente da UICN, Yolanda Kakabatse, e o pesquisador da Cepal, Roberto Guimarães, Fernando Henrique reúne as condições para liderar esse movimento porque concilia a experiência política no comando de um País com as dimensões do Brasil com a consciência de cientista social.Os ambientalistas também cobraram do presidente mais empenho para resgatar o Tratado de Cooperação Amazônica e instalar ainda este ano a Secretaria Permanente - prevista no Tratado - que terá sede no Brasil.O presidente se comprometeu a instalar a Secretaria tão logo o Tratado seja homologado pelo governo da Colômbia, a única ratificação pendente. O presidente disse ainda que, em junho, será realizada uma reunião no Rio de Janeiro, na qual o Brasil passará simbolicamente à coordenação das discussões sobre desenvolvimento sustentado para a África do Sul, na presença do secretário-geral da ONU, Kofi Annan. Esse evento, segundo Fernando Henrique, é uma tentativa de dar mais visibilidade à discussão da Rio + 10.No encontro de especialistas na área ambiental dos países que integram a Bacia Amazônica, realizado na Granja do Torto, do qual participaram cerca de 40 técnicos de governos e organizações não-governamentais, foi elaborado um documento denominado "Amazônia Sustentável no Terceiro Milênio", que irá nortear as discussões preparatórias dos países da Bacia Amazônica para a Rio + 10 - no Brasil, a coordenação está sendo feita pelo ex-secretário estadual do Meio-Ambiente de São Paulo, Fábio Feldmann. O documento enfatiza a importância estratégica da Amazônia, ?enquanto espaço econômico fundamental e singular? para o desenvolvimento dos países que compõem sua bacia, sugerindo a construção de uma visão estratégica comum para o desenvolvimento, com a formulação de "estratégias soberanas nacionais para corrigir as profundas assimetrias econômicas e sociais existentes". A importância do conjunto de ecossistemas da Região e a ocupação do território por 30 milhões de pessoas com grande diversidade social, cultural e ética também são lembrados. O documento propõe o aprofundamento da cooperação entre os países da Bacia, estabelecendo quatro temos prioritários para o desenvolvimento econômico, social e ambiental: elaboração de uma estratégia regional de biodiversidade, com ênfase no acesso aos recursos genéticos; criação de um modelo de produção de conhecimento para entender, monitorar projetar o sistema hídrico da bacia e suas conseqüências no clima e no manejo dos ecossistemas e dos recursos naturais; construir uma aliança científica e tecnológica amazônica para contribuir no processo de decisões sobre a exploração da região; e promover um clima favorável para o desenvolvimento de iniciativas econômicas locais, valorizando os produtos florestais e serviços ambientais feitos em bases sustentáveis.

Agencia Estado,

25 de janeiro de 2002 | 15h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.