Reprodução
Reprodução

Municípios não adotam políticas contra a homofobia

Em 2011, apenas 1,4% dos municípios possuía legislação específica sobre o tema e 1,8% tinha programas ou ações de combate à violência contra a população de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTT)

Felipe Werneck e Antonio Pita, do Rio,

13 Novembro 2012 | 10h01

O estudo do perfil dos municípios brasileiros produzido pelo IBGE apontou que os municípios brasileiros ainda estão longe de adotar políticas contra a homofobia. Em 2011, apenas 79 municípios (1,4% do total) possuíam legislação específica sobre o tema e 99 (1,8%) tinham programas ou ações de combate à violência contra a população de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTT).

 

A temática da homofobia e sexualidade também foi investigada pela pesquisa no âmbito das escolas. Segundo o estudo, apenas 8,7% dos municípios (480) possuíam algum tipo de ação visando à inclusão e manutenção de alunos. O item é apenas o sexto colocado entre as temáticas de inclusão discutidas nas escolas do País. Ao todo, 93,7% dos estabelecimentos afirmaram ter políticas de inclusão em outras áreas.

 

"Esta é a primeira vez em que são medidas quais temáticas de inclusão são trabalhadas pelas escolas municipais. Pelo levantamento, a região Nordeste é a que possui estados com maior incidência de municípios com essa preocupação", afirma Daniela Santos Pacheco, uma das responsáveis pela pesquisa.

Pelo levantamento, apenas 8 capitais e o Distrito Federal adotam ações nessa área. O tema do combate ao preconceito contra o público LGBTT nas escolas é sinônimo de polêmica desde o ano passado, quando o Ministério da Educação anunciou a intenção de editar material didático de combate à discriminação nas escolas. Nas eleições municipais deste ano, o chamado 'kit-gay' também foi discutido entre os candidatos à prefeitura de São Paulo. Na cidade, não havia, em 2011, programa nas escolas para o tema.

 

Ainda de acordo com os dados do IBGE, a região Sul é a que apresenta a menor proporção de municípios com programas para o público (3,5%). A região que possui mais municípios com atuação nesta área é o Centro Oeste, com 12,9%, seguida do Nordeste, com 12,3% dos municípios com ações dentro das escolas.

Em relação à legislação, a pesquisa também apontou os principais eixos temáticos trabalhados pelos órgãos de direitos humanos dos municípios. Entre eles, o combate à discriminação, o reconhecimento de direitos e o reconhecimento de nome social adotado por travestis e transexuais. Neste último quesito, apenas 1% dos municípios têm legislação específica. No Norte, nenhuma cidade atua sobre a questão.

 

Apesar dos números pouco expressivos sobre os direitos da população LGBTT, a pesquisa destaca um avanço nos municípios em relação às políticas de Direitos Humanos. Em dois anos, o número de cidades com estrutura específica para o tema mais que dobrou, saltando de 1.400 municípios para cerca de 2.900.

Mais conteúdo sobre:
IBGE LGBT

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.