Museu apresenta Moça do Pântano, morta há 2.500 anos

O Museu de Hannover, no norte da Alemanha, colocou em exposição a chamada Moça do Pântano, uma adolescente morta há aproximadamente 2.500 anos e cujo corpo foi encontrado há algumas semanas por um trabalhador em um pântano, preservado sob a lama. A descoberta é considerada a mais espetacular em décadas na Alemanha.O diretor da equipe de arqueólogos encarregada de sua análise, Alf Metzler, disse que as causas da morte da jovem ainda são desconhecidas. Ela provavelmente se perdeu e caiu em terras pantanosas, ou talvez estivesse fugindo de algo ou de alguém, segundo o pesquisador. O corpo está praticamente inteiro, incluindo o cabelo.Nesse mesmo pântano, em Uchte, na Baixa Saxônia, foi encontrado em 1900 o corpo de um homem, também perfeitamente conservado, que passou a ser chamado de "Franz, o Ruivo", já que seu cabelo ficou tingido dessa cor pela ação do terreno. Estima-se que o homem morreu no século terceiro ou quarto, enquanto que o da moça seria muito anterior a ele.A Moça do Pântano ficará exposta no museu durante duas semanas. Depois disso, passará às mãos dos pesquisadores, para que sejam feitos diversos estudos.

Agencia Estado,

21 de junho de 2005 | 10h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.