Museu Britânico consegue adquirir astrolábio do século XIV

Artefato de latão do século XIV servia para determinar data e hora através da altura do Sol

AP

31 de julho de 2008 | 16h32

Uma ferramenta astronômica rara que ajudou cientistas medievais a determinar as horas vai permanecer no Reino Unido, depois que o British Museum conseguiu dinheiro para comprá-la.  O artefato de latão, chamado astrolábio, tinha sido vendido em um leilão este ano, e o museu não conseguiu dar a maior oferta. Mas fundos do National Heritage Memorial, do Art Fund e dos Amigos do British Museum ajudaram o museu a comprar a peça por US$ 700 mil.  "O astrolábio vai ser uma adição muito importante para nossa coleção medieval como um objeto que pode explicar a sofisticação da ciência na Era Medieval e a transferência de conhecimento entre os muçulmanos, judeus e comunidades cristãs", disse o diretor substituto do museu, Andrew Burnett, nesta quinta-feira, 31.  O artefato do século XIV, que tem o formato de um quadrante, ou um quarto de círculo, foi desenvolvido para ser portátil e tem um raio de quase oito centímetros. O instrumento foi usado para calcular a altura do Sol. Com essa informação, um cientista podia determinar a hora, a data e outras informações.  A águia gravada neste astrolábio indica que ele deveria ser usado com o Sol, e não com estrelas, pois acreditava-se que a águia era o único animal capaz de olhar diretamente para o Sol, disse Silke Ackermann, curador de instrumentos científicos europeus e islâmicos no museu.  A invenção do astrolábio é creditada aos cientistas islâmicos no século IX, que aprenderam seu conceito estudando ciência grega. Os aparelhos foram depois adotados pelos europeus no século X e usados até o XV.  Apenas oito astrolábios desse tipo são conhecidos da Idade Média, e o instrumento do British Museum foi o único criado para uso na Inglaterra, disseram.

Tudo o que sabemos sobre:
ciênciaBritish Museumastrolábio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.