Música preferida aciona região do cérebro que responde pela memória

Estudo explicou por que músicas despertam nostalgia e detectou padrões semelhantes entre quem gosta de gêneros diferentes

AFP

28 Agosto 2014 | 16h58

A música aciona diferentes funções do cérebro, o que explica por que uma canção de que se gosta causa prazer e uma música favorita pode fazer submergir na nostalgia, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira na revista Scientific Reports.

Neurologistas dos Estados Unidos usaram imagens de ressonância magnética (fMRI) para fazer um mapa da atividade cerebral em 21 voluntários que escutaram diferentes tipos de música, incluindo rock, rap e música clássica.

Os voluntários escutaram seis canções de cinco minutos cada, incluindo cinco consideradas "icônicas" para cada gênero, uma canção que não era familiar e, mesclada na seleção, uma música favorita. 

Os cientistas detectaram padrões de atividade cerebral que colocaram em evidência o gosto ou não pela canção escutada. Também apontaram uma atividade específica do cérebro quando se escutava a canção favorita.

Escutar a música de que se gosta, sem que seja a preferida, abre um circuito neuronal em ambos os hemisférios cerebrais denominado rede de modo padrão, que desempenha um papel nos pensamentos "concentrados no interior".

Mas escutar uma canção favorita também desencadeou atividade no hipocampo, a região adjacente do cérebro, que desempenha um papel fundamental na memória e nas emoções vinculadas à socialização. 

A pesquisa, publicada na revista Scientific Reports, foi coordenada por Robin Wilkins da Universidade da Carolina do Norte, en Greensboro.

Os autores ficaram surpresos ao constatar que os padrões de fMRI eram muito similares apesar de a preferência musical ser uma questão individual. "Essas conclusões podem explicar por que estados emocionais e mentais comparáveis podem ser experimentados por pessoas que escutam músicas tão diferentes como Beethoven e Eminem", destacaram os autores.

Jean-Julien Aucouturier, pesquisador do Centro Nacional de Investigação Científica da França (CNRS), destacou que o estudo completa a teoria sobre como a música afeta o cérebro.

Os resultados sugerem que escutar a música favorita poderia ajudar a tratar a perda de memória, segundo Aucouturier. Serão necessários, entretanto, novos estudos para avançar nesta direção, advertiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.