Nasa adia ambiciosa missão com robô nuclear a Marte para 2011

Atraso é de poucos meses, mas oportunidades de lançamento só ocorrem a cada dois anos, diz Nasa

Carlos Orsi, do esatado.com.br,

04 de dezembro de 2008 | 15h29

O administrador da Nasa, Michael Griffin, anunciou na tarde desta quinta-feira, 4, que a missão Mars Science Laboratory (MSL), que prevê o envio de um robô do tamanho de um pequeno automóvel, movido a  energia nuclear, para procurar sinais de vida em Marte está sendo adiada para 2011.    "O trabalho está, na verdade, progredindo bem", disse Griffin, em entrevista coletiva, afirmando que o adiamento está sendo necessário por conta de pequenos problemas técnicos. "Infelizmente, a janela para lançamentos a Marte só se repetem a cada 26 meses".   O encarregado do programa de exploração de Marte da Nasa, Douglas McCuinston, enfatizou o ponto, dizendo que a construção do equipamento está atrasada "apenas alguns meses", mas que, uma vez perdida a oportunidade de lançamento no segundo semestre de 2009, será preciso esperar até 2011.   Segundo McCuinston, o adiamento acarretará um acréscimo de US$ 400 milhões no custo total da operação do MSL, que chegará a um total estimado de US$ 2,2 bilhões. "Mas isso ainda é uma estimativa inicial", ressaltou.   O robô é um "rover", como os robôs Spirit e Opportunity, mas numa escala totalmente diferente: ele não dependerá de energia solar para rodar, já que usará um gerador que produzirá eletricidade a partir do decaimento radioativo do plutônio.   Como a sonda Phoenix, que operou em Marte durante cinco meses de 2008, o MSL levará uma câmera para produzir imagens, incluindo a capacidade de gravar vídeos de alta resolução, e conterá instalações para testar amostras de solo recolhidas por um braço robótico.    Além disso, terá um emissor de raios laser para vaporizar amostras de solo a até 10 metros de distância, e analisar os gases produzidos. O robô vai estudar a radiação ambiente em Marte, para ajudar a determinar a capacidade do planeta de abrigar vida e, até mesmo, de receber astronautas no futuro. A Nasa espera que o MSL seja capaz de percorrer até 200 metros ao dia e possa durar pelo menos um ano marciano, ou 687 dias terrestres.   A missão MSL havia passado por uma revisão crítica há alguns meses, quando a Nasa decidiu manter a previsão de lançamento em 2009, mas sob a condição de que o projeto atingisse uma série de metas intermediárias até janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
martenasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.