Nasa adia fim dos voos de ônibus espaciais para 2011

Preparação de instrumento para a ISS leva voo final da frota para fevereiro do próximo ano

Associated Press

01 Julho 2010 | 14h51

Astronautas treinam em simulador para o voo final do ônibus espacial Discovery. Divulgação/Nasa

 

O programa de ônibus espaciais da Nasa vai continuar operando em 2011. Depois de semanas de especulações, a agência espacial oficializou nesta quinta-feira, 1º, a decisão, provocada por atrasos na preparação da carga que será levada ao espaço nos dois últimos voos dessa geração de naves. Além disso, um possível terceiro - e definitivamente último - voo ficou para agosto.

 

link Obama descarta retorno à Lua e prevê pouso em Marte depois de 2035

blog Boa notícia para Obama: o Falcon 9 voa!

 

Administradores concordaram em adiar o penúltimo lançamento, da nave Discovery, para novembro. Originalmente, a missão deveria ocorrer em setembro. E a última missão programada agora tem data marcada para 26 de fevereiro de 2011, quando o Endeavour encerrará os 30 anos do programa de ônibus espaciais entregando um importante instrumento científico para a Estação Espacial Internacional (ISS).

 

O Espectrômetro Magnético Alfa - um detector de partículas - está sendo reformado na Europa, para ganhar uma vida útil ampliada assim que for instalado na ISS. O trabalho extra causou sucessivos adiamentos do lançamento do Endeavour.

 

Quanto á possibilidade de um voo de despedida numa missão extra do ônibus espacial Atlantis, nenhuma decisão será tomada antes de agosto. A Nasa gostaria de usar o Atlantis uma vez mais, em junho de 2011, antes que a frota seja aposentada.

 

A Casa Branca teria de autorizar essa missão adicional. A Nasa estima que pode custar até US$ 200 milhões ao mês manter o programa de ônibus espaciais operando além de 2010. O plano original, apresentado em 2004 pelo então presidente George W. Bush, previa o encerramento das operações neste ano.

 

Independentemente do que for decidido, o Atlantis será preparado para lançamento como nave de resgate para os astronautas do Endeavour. A praxe de manter um ônibus espacial de prontidão enquanto outro se encontra no espaço foi adotada após o desastre do Columbia, em 2003.

 

Neste ano, o presidente Barack Obama ordenou que a Nasa se dedique a metas de longo prazo, como op desenvolvimento de tecnologias para permitir o envio de astronautas além da órbita da Lua em 2025. Por esse plano, empresas provadas assumirão as tarefas mais rotineiras, como levar astronautas à ISS. A empresa SpaceX testou com sucesso seu foguete Falcon 9, um candidato a esse tipo de serviço, no mês passado.

 

Após a aposentadoria dos ônibus espaciais e Até que um foguete comercial esteja pronto e seja considerado seguro, os astronautas americanos dependerão de caronas a bordo de naves russas para ter acesso ao espaço.

 

O ex-astronauta e ex-senador John Glenn pediu que os ônibus espaciais sejam mantidos até que o substituto chegue.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.