Nasa
Nasa

Nasa anuncia duas missões para entender melhor o Sol e sua conexão com a Terra

Objetivo é fornecer uma 'visão mais profunda' do universo e obter informações críticas para ajudar a proteger astronautas, satélites e sinais de comunicação como o GPS

Redação, EFE

11 de fevereiro de 2022 | 17h57

MIAMI - A Nasa selecionou duas missões científicas para estudar a dinâmica do Sol, a conexão da Terra com a estrela e o ambiente espacial em constante mudança, informou a agência espacial dos Estados Unidos.

As missões Multi-slit Solar Explorer (MUSE) e HelioSwarm fornecerão uma "visão mais profunda" do universo e informações críticas para ajudar a proteger astronautas, satélites e sinais de comunicação como o GPS.

“O MUSE e o HelioSwarm fornecerão informações novas e mais profundas sobre a atmosfera solar e o clima espacial”, disse Thomas Zurbuchen, da Nasa, observando que essas missões fornecerão uma “perspectiva única” sobre os “mistérios” do Sol.

Precisamente este anúncio vem um dia depois que a empresa SpaceX informou que 40 satélites de sua rede de Internet via satélite Starlink sofreram o impacto fatal de uma tempestade geomagnética, que ocorre quando os ventos solares penetram no ambiente espacial próximo à Terra.

A missão MUSE, explicou a Nasa, ajudará os cientistas a entender as forças que impulsionam o aquecimento da coroa solar e as erupções naquela região externa que são a base do clima espacial. Graças a esta missão, será possível observar a radiação ultravioleta extrema do Sol e obter as "imagens de maior resolução já capturadas da região de transição solar e da coroa".

O objetivo principal da missão MUSE é investigar as causas do aquecimento e instabilidade coronal e obter informações sobre as propriedades básicas do plasma coronal. Enquanto isso, a missão HelioSwarm capturará as primeiras medições em multiescala no espaço de flutuações no campo magnético e movimentos do vento solar conhecido como turbulência do vento solar.

Estudar a turbulência do vento solar em grandes áreas requer medições feitas simultaneamente de diferentes pontos no espaço, então o HelioSwarm consiste em uma espaçonave central e oito pequenos satélites em órbita conjunta.

“A inovação técnica dos pequenos satélites do HelioSwarm operando juntos como uma constelação oferece a capacidade única de investigar a turbulência e sua evolução no vento solar”, disse Peg Luce, vice-diretor da Divisão de Heliofísica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.