Carlos Jasso/Reuters
Carlos Jasso/Reuters

Nasa apresenta traje espacial mais flexível para nova missão à Lua

Ainda protótipos, modelos foram apresentados nesta terça-feira, 15, na sede da agência espacial em Washington

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2019 | 05h00

WASHINGTON - Menos rigidez para se movimentar com mais facilidade: os trajes que serão usados por astronautas para caminhar na Lua nos próximos anos, como parte da missão Ártemis, foram apresentados pela Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa) nesta terça-feira, 15.  

Os modelos são protótipos que ainda não foram testados no espaço e cujo design ainda não está finalizado. O retorno do homem à Lua está oficialmente planejado para 2024, com a missão Ártemis 3, embora o calendário ainda seja considerado incerto por causa de atrasos e problemas de financiamento. As roupas espaciais não devem estar prontas até 2023.

Nesta terça, engenheiros vestiram a roupa e a exibiram para a imprensa em frente a uma bandeira dos Estados Unidos. O evento aconteceu na seda da agência espacial em Washington.

Os trajes usados anteriormente para caminhar na Lua, nas missões Apollo (1969-1972), fornecem oxigênio, reciclam o ar, regulam a temperatura interna e protegem o astronauta contra radiação. Há anos, no entanto, engenheiros da Nasa trabalham para desenvolver uma versão aprimorada, especialmente quanto à eliminação de dióxido de carbono.

Na verdade, haverá duas roupas espaciais: uma delas para caminhar na Lua, que será branca com bandeiras azuis e vermelhas, e foi batizada de "xEMU". Segundo demonstraram os engenheiros, esse modelo será mais flexível.

Já a outra deve ser usada no trajeto entre a Terra e a Lua, e será mais clara e de cor laranja - a "Orion Crew Survival Suit". Trata-se do traje de sobrevivência para a tripulação que embarcará na cápsula Orion.

"Lembre-se de que durante os anos de Apollo, Neil Armstrong e Buzz Aldrin saltaram como coelhos no solo lunar. Agora, vai ser possível caminhar", disse Jim Bridenstine, chefe da Nasa.

Segundo demonstrou a engenheira Kristine Davis, os astronautas terão mais liberdade de movimento: eles podem levantar os braços acima da cabeça, o que não era possível com os trajes da Apollo. Também podem facilmente se abaixar para pegar pedras lunares, sem correr o risco de perder o equilíbrio e cair.

Outra inovação importante é que o novo traje foi projetado para todos os tamanhos, tanto em modelo masculino quanto feminino. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.