Nasa considera grave o incidente com o Discovery

Um pedaço grande de material isolante se desprendeu do tanque de combustível externo do ônibus espacial Discovery na terça-feira, na decolagem. Essa é a conclusão a que chegaram os especialistas da Nasa ao analisar imagens realizadas pelas câmeras instaladas na própria nave durante o lançamento. No fim da tarde de hoje, a agência espacial qualificou o incidente de potencialmente muito grave e informou que não haverá mais missões com ônibus espaciais enquanto esse tipo de problema, que já era dado como resolvido, não for consertado.O incidente representa um retrocesso para o programa espacial, que gastou dois anos e meio tentando ressurgir das cinzas do Columbia. "Não somos capazes de voar de novo até que esse perigo seja afastado", disse em nota o gerente do programa de ônibus espaciais, Bill Parsons. Discovery no momento do lançamento, ainda junto com o tanque de combustível externo de onde saiu uma placa isolante. No acidente com o Columbia, em 2003, um pedaço que se soltou do tanque atingiu a asa da nave. Ao reingressar na atmosfera terrestre, gases de altíssima temperatura penetraram na asa e provocaram a desintegração da nave.Os funcionários da Nasa, disseram, porém, que o problema não afetou o vôo, não atingiu a nave e não põe em risco a vida dos sete astronautas a bordo. O desprendimento de material isolante foi o que causou o acidente com o ônibus Columbia, em 2003, matando os sete tripulantes. O pedaço de isolante atingiu uma asa. Ao reingressar na atmosfera terrestre, gases de altíssima temperatura penetraram na asa e provocaram a desintegração da nave.A maior parte das mudanças feitas no Discovery para evitar que tal tragédia se repetisse visavam a reduzir ao máximo a quantidade de restos de material isolante e de gelo que saem do tanque externo. Primeiro dia da missãoOs astronautas do Discovery, no seu primeiro dia completo no espaço, passaram a maior parte do tempo analisando os possíveis danos do desprendimento do material. O dia, para os sete, encabeçados pela comandante Eileen Collins, começou à 1h39 de Brasília com uma chamada do Centro de Controle de Houston (Texas) da Nasa, que os acordou com a música do filme Feitiço do Tempo.Os especialistas Andrew Thomas, Charles Camarda e o piloto James Kelly inspecionaram o casco da nave e alguns dos principais componentes de seu escudo protetor, usando uma das principais inovações técnicas introduzidas nas missões, o scanner a laser Orbiter Boom Sensor System, manobrado pelo braço robótico Canadarm.Segundo a Nasa, os especialistas prosseguirão com a revisão detalhada das imagens registradas pelas câmeras nos próximos quatro dias, antes que a nave receba autorização para regressar. Já os tripulantes Soichi Noguchi, Steve Robinson e Wendy Lawrence experimentarão as ferramentas e os trajes que usarão a partir de sábado em três passeios pelo espaço.A comandante tinha nesta quarta-feira a tarefa de ajustar a órbita do ônibus para seu encontro com a ISS, onde a equipe é esperada às 8h18 de quinta-feira (de Brasília), pelo comandante russo Sergei Krikalev e pelo engenheiro de vôo da Nasa John Philips, que vão filmar a chegada da nave. O Discovery deve voltar no dia 7.

Agencia Estado,

27 de julho de 2005 | 20h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.