Nasa
Nasa

Nasa defende nave projetada para substituir ônibus espacial

Sob escrutínio de comissão nomeada pelo presidente Obama, agência defende planos para levar homem à Lua

Associated Press,

30 de julho de 2009 | 15h09

Engenheiros responsáveis pelo projeto da arquitetura de voo espacial que substituirá os ônibus espaciais, chamada Constellation, negaram que ela seja muito cara, perigosa e que vá adiar desnecessariamente o retorno da humanidade ao espaço.

 

link Serviço de ônibus espacial deveria ser privatizado, diz comitê

link Astronautas da Apolo 11 pedem lançamento de missão a Marte

link Plano atual não levará Nasa a Marte, diz novo diretor

link Temendo cortes, Nasa oferece plano barato para retorno à Lua

 

Os engenheiros defenderam seu trabalho em um comitê nomeado pelo presidente Barack Obama para revisar os planos da Nasa para o período posterior à aposentadoria dos ônibus espaciais, prevista para 2010.

 

O chefe do escritório que passou quatro anos projetando o próximo foguete, o Ares, disse aos membros da comissão de Planos para Voo Espacial Humano que o design atual é o mais seguro e rápido para levar os astronautas americanos ao espaço.

 

"Fizemos o que tínhamos dito que faríamos, e estamos bem encaminhados para o primeiro voo de teste", afirmou Steve Cook, chefe do projeto Ares do Centro de Voo Espacial Marshall. 

 

Falando numa audiência pública, Cook descartou a ideia de que o Ares seja um caminho errado para a agência espacial.

 

Outros administradores disseram ao comitê que estão trabalhando nos desafios técnicos do Ares, incluindo a possibilidade de que as vibrações provocadas no lançamento possam prejudicar os astronautas.

 

O presidente do comitê, o executivo do setor aeroespacial Norman Augustine, disse que os membros irão oferecer sugestões genéricas a Obama. Elas poderiam ir desde adiar a aposentadoria do ônibus espacial e até investir pesado no Constellation.

 

Sob um plano de US$ 35 bilhões lançado pelo ex-presidente George W. Bush, a Nasa vem trabalhando para aposentar os ônibus espaciais em 2010 e voltar a lançar astronautas ao espaço a partir de 2015, com o Ares. A arquitetura Constellation, composta por dois foguetes Ares (um para carga e um para astronautas) pela cápsula tripulada Órion  e pelo módulo de desembarque Altair foi concebida para ser flexível, permitindo voos para a Estação Espacial Internacional (ISS) ou para a Lua, e com a opção de ser adaptada para voos a Marte ou a asteroides.

 

Obama nomeou o comitê Augustine em maio para avaliar o projeto e determinar a melhor forma de mandar astronautas ao espaço. O relatório final será entregue ao presidente em 31 de agosto.

 

Os engenheiros continuam a trabalhar no Constellation durante a revisão, e a Nasa pretende lançar uma versão de teste do Ares I, projetado para carregar astronautas, em 31 de outubro. O modelo de carga, Ares V, não está tão avançado.

 

O ex-administrador da Nasa, Michael Griffin, reuniu-se em particular com o comitê antes da audiência pública. Em uma carta aos membros, ele se queixou de que o Constellation está sendo vítima de "críticas rasas", num momento em que a Nasa precisa de continuidade de planejamento.

Tudo o que sabemos sobre:
nasamarteluaapollo 11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.