Nasa descobre misteriosa estática de rádio no espaço

Uma análise detalhada do ruído, diz a Nasa, eliminou como possíveis fontes as estrelas primordiais

da Redação,

08 de janeiro de 2009 | 14h00

Uma misteriosa tela de estática de rádio extremamente alta permeia o Universo e impede que os astrônomos observem o calor emanado das primeiras estrelas a surgir. Um instrumento da Nasa erguido ao céu por balão, o Arcade (sigla em inglês de Radiômetro Absoluto para Cosmologia, Astrofísica e Emissão Difusa), fez a descoberta. Lançado em 2006, o balão que transportava o Arcade subiu a 120 mil pés (36 km).  A missão do Arcade era captar o calor das primeiras estrelas a iluminar o Universo. Em vez disso, detectou um enigma.   Via Láctea pesa mais e gira mais rápido do que se pensava Cientistas confirmam que a Terra não é o centro do Universo O líder da equipe responsável pela missão, Alan Kogut, do Centro de Voo Espacial Goddard da Nasa, disse, em nota da agência espacial, que "o Universo nos pegou de surpresa". "Em vez do sinal fraco que esperávamos encontrar, lá estava esse barulho enorme, seis vezes mais alto do que tinha sido previsto".   Uma análise detalhada do ruído, diz a Nasa, eliminou como possíveis fontes as estrelas primordiais ou outras fontes conhecidas de sinais de rádio. A origem desse fundo cósmico de rádio é um mistério.   Muitos objetos do Universo emitem ondas de rádio. Em 1931, o físico Karl Jansky detectou estática emitida pela Via Láctea. Emissões semelhantes de outras galáxias criam uma estática contínua. O problema, segundo a pesquisadora  Dale Fixsen, membro da equipe que trabalhou no Arcade, é que aparentemente não existem galáxias suficientes emitindo rádio para explicar a intensidade captada pelo instrumento.   E o sinal das estrelas primordiais fica escondido atrás dessa cortina de estática. Esse fundo dificulta a detecção das primeiras estrelas, que se teriam formado 13 bilhões de anos atrás.

Tudo o que sabemos sobre:
estáticagaláxianasarádio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.