Nasa/AFP
Nasa/AFP

Nasa detecta possíveis emissões de vapor em lua de Júpiter

Comunicado foi feito nesta segunda pela Nasa, a partir de imagens do telescópio Hubble

O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2016 | 16h09
Atualizado 26 Setembro 2016 | 18h16

A Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos, informou nesta segunda-feira, 26, que o telescópio espacial Hubble detectou possíveis emissões de vapor na superfície de Europa, uma das luas do planeta Júpiter.

"Localizamos possíveis emissões de vapor que emanam da lua Europa de Júpiter usando o Hubble", afirmou a Nasa em um comunicado.

De acordo com a nota, o telescópio conseguiu capturar imagens do que "podem ser emissões de vapor d'água que emergem da superfície" da lua.

A descoberta aumenta a possibilidade para que as missões enviadas à Europa no futuro possam analisar o oceano deste satélite gelado sem a necessidade de perfurar quilômetros de gelo, já que os vapores seriam emitidos por gêiseres, ressaltou a agência americana.

"O oceano de Europa é considerado um dos lugares mais promissores que podem potencialmente abrigar vida no sistema solar", afirmou o administrador associado interino do diretório de missões científicas da Nasa em Washington, Geoff Yoder.

"Essas colunas de fumaça, se realmente existem, podem apresentar outra forma de recolher amostras abaixo da superfície de Europa", acrescentou Yoder.

As emissões atingiram uma altura de aproximadamente 200 quilômetros antes de devolver o material à superfície de Europa, que tem um enorme oceano com duas vezes mais água que todos os oceanos da Terra somados, mas o líquido está protegido por uma camada de gelo cuja espessura é desconhecida.

Os cientistas da Nasa, liderados por William Sparks, do Instituto de Ciência Telescópica Espacial (STScI, sigla em inglês), com sede em Baltimore (EUA), captaram as emissões enquanto observavam um extremo da lua enquanto ela passava diante de Júpiter.

O objetivo original da equipe de Sparks era determinar se Europa tem uma atmosfera magra ou uma exosfera que poderia bloquear a luz emitida por Júpiter.

O estudo da Nasa reforça a possibilidade de emissões de vapor em Europa, depois que uma equipe do Instituto de Pesquisa Southwest, em San Antonio (EUA), detectou em 2012 evidências de vapor d'água que saíam do polo sul de Europa e alcançavam uma altitude de mais de 160 quilômetros.

As duas equipes de pesquisadores utilizaram o telescópio Hubble, mas empregaram métodos diferentes para chegar à mesma conclusão.

Sparks ressaltou que as "estimativas" da altitude das emissões e da latitude de duas delas são similares às obtidas pelos especialistas de San Antonio.

Se for confirmada a descoberta anunciada nesta segunda, Europa seria a segunda lua do sistema solar conhecida por ter emissões de vapor d'água.

Em 2005, a nave internacional Cassini, da Nasa, detectou jatos de vapor d'água e pó sobre a superfície da lua Encélado, do planeta Saturno. /EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Nasa Hubble Europa Júpiter

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.