Nasa e Boeing tentam produzir carros voadores

O que antes parecia apenas cenas de filmes de ficção científica, ou de desenhos animados, poderá se tornar realidade dentro de 25 anos: os carros voadores. De acordo com as previsões dos pesquisadores da Nasa e da Boeing - as duas empresas que estudam uma forma de produzir os carros voadores -, eles devem começar a chegar ao mercado mundial em meados de 2030.A Nasa, inclusive, já iniciou os trabalhos em veículos voadores. Segundo a BBC Brasil, o objetivo inicial da empresa é construir pequenos aviões, desafogando assim o tráfego aéreo regional dentro dos EUA.Nos próximos cinco anos, os pesquisadores da Nasa esperam ter concluído totalmente o desenvolvimento da tecnologia necessária para a construção deste tipo de veículos, que seriam "simples de ser conduzidos e parecidos com os carros atuais."Preço de um BMWA Nasa irá tentar manter o preço do veículo voador em torno de US$ 100 mil - cerca de o equivalente a R$ 300 mil -, o preço de um BMW série 5 no Brasil. A empresa, porém, ainda está enfrentando uma série de consideráveis obstáculos tecnológicos.Um deles, o peso e a velocidade do carro voador. Mark Moore, um dos chefes da divisão de veículo aéreo pessoal do Centro de Pesquisas Langley, da Nasa, explicou: "Quando você tem um obstáculo e tenta superá-lo, você tem o pior dos dois mundos: um veículo pesado, lento e caro, e que é difícil de ser usado".Tráfego aéreoA Boeing trabalha em projetos semelhantes. Além de produzir o carro voador, a empresa tenta prever as formas de evitar problemas com o tráfego aéreo quando milhares de carros estiverem voando ao mesmo tempo.Dick Paul, vice-presidente da Phantom Works, o braço de pesquisa e desenvolvimento da Boeing, disse que "o mais fascinante é pensar em como será a aparência do veículo.Entre as alternativas de estudo, está a inclusão de sistemas de inteligência artificial para evitar colisões e ajudar na condução do veículo.

Agencia Estado,

24 de setembro de 2004 | 09h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.