Nasa elabora plano para resgatar robô atolado em Marte

Tentativas serão feitas até fevereiro; depois disso, o Spirit, que trabalha desde 2004, pode ser abandonado

Associated Press,

12 Novembro 2009 | 19h49

A Nasa apresentou nesta quinta-feira, 12, um plano de resgate para libertar o robô Spirit, atolado em areia fofa na superfície de Marte desde abril. A operação, arriscada, poderá se estender por vários meses.

 

"Se não conseguirmos fazer a grande fuga dessa armadilha de areia, é provável que este lugar solitário, na borda de uma cratera, venha a ser o local de repouso do Spirit", disse Doug McCuistion, chefe do programa de exploração de Marte da Nasa.

 

Técnicos analisam a situação do Spirit usando um modelo em laboratório da Nasa. Divulgação

 

O robô estava rodando de ré em abril, quando suas rodas romperam a superfície quebradiça e ficaram atoladas num trecho de areia com consistência de talco. Ele tentou rodar para fora, mas as rodas só fizeram afundar mais.

 

Após ensaiar várias fugas possíveis usando protótipos do robô na Terra, a Nasa disse que finalmente está pronta para dar orientações ao Spirit.

 

As primeiras ordens serão transmitidas na segunda-feira, 16, mas os engenheiros advertiram que as rodas vão deslizar bastante.

 

O plano pede que o robô avance um pouco e depois tente recuar sobre o próprio rastro.

 

"Se seguirmos as trilhas antigas, poderemos progredir mais", disse Ashley Stroupe, do Laboratório de Propulsão a Jato.

 

Libertar o Spirit é o desafio mais complexo enfrentado desde o início da missão dos robôs gêmeos Spirit e Opportunity em Marte, em 2004. Originalmente, esperava-se que ambos funcionassem por apenas três meses.

 

Os esforços para libertar o Spirit prosseguirão pelo menos até fevereiro. Se nada ocorrer até lá, terá chegado a hora de decidir se vale a pena continuar tentando, disse McCuistion.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.