EFE/EPA/R. Lannom/NASA/JPL-Caltech
EFE/EPA/R. Lannom/NASA/JPL-Caltech

Nasa extrai oxigênio respirável de ar rarefeito de Marte pela primeira vez

O feito foi realizado por um dispositivo experimental batizado de Moxie, que foi levado ao planeta a bordo do Perseverance

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2021 | 10h51
Atualizado 22 de abril de 2021 | 12h51

A Agência Aeroespacial dos Estados Unidos (Nasa) realizou um novo feito extraterrestre inédito em sua missão mais recente a Marte: converter dióxido de carbono da atmosfera em oxigênio puro e respirável, anunciou a agência nessa quarta-feira, 21.

A extração de oxigênio inédita foi realizada na terça-feira por um dispositivo experimental a bordo do Perseverance, jipe científico que pousou no Planeta Vermelho em 18 de fevereiro depois de uma viagem de sete meses.

Em sua primeira ativação, o instrumento do tamanho de uma torradeira batizado de Moxie, uma abreviação de Experimento de Utilização de Recurso de Oxigênio Marciano In-Situ, produziu cerca de cinco gramas de oxigênio, o equivalente a cerca de 10 minutos de ar respirável para um astronauta, disse a Nasa.

Embora a produção inicial tenha sido modesta, o feito assinalou a primeira extração experimental de um recurso natural do meio ambiente de outro planeta para uso direto de humanos.

"O Moxie não é só o primeiro instrumento a produzir oxigênio em outro mundo", disse Trudy Kortes, diretora de demonstrações tecnológicas do Diretório de Missão de Tecnologia Espacial da Nasa, em um comunicado. Ela o classificou como a primeira tecnologia do tipo a ajudar missões futuras a "viverem dos frutos da terra" de outro planeta.

O instrumento funciona por eletrólise, que usa o calor extremo para separar átomos de oxigênio de moléculas de dióxido de carbono, que representa cerca de 95% da atmosfera marciana. Os outros 5% consistem principalmente de nitrogênio molecular e argônio — o oxigênio só existe em Marte em quantidade ínfima.

Oxigênio em abundância é um fator considerado crítico para uma eventual exploração humana do planeta vermelho — tanto como fonte de ar respirável para os astronautas quanto para ajudar no lançamento do foguete de volta para a Terra.

De acordo com a Nasa, tirar quatro astronautas da superfície marciana consumiria cerca de 7 toneladas métricas de combustível de foguete, combinadas com 5 toneladas métricas de oxigênio.

Transportar uma máquina de conversão de oxigênio de uma tonelada para Marte é mais prático do que tentar transportar 25 toneladas de oxigênio em tanques da Terra, disse o pesquisador principal do Moxie, Michael Hecht, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, no comunicado da Nasa.

Já para a sobrevivência dos astronautas em Marte durante um ano seria necessária uma tonelada métrica de oxigênio, segundo Hecht.

O Moxie foi projetado para gerar até 10 gramas por hora e os cientistas planejam operar a máquina pelo menos mais nove vezes nos próximos dois anos em diferentes condições e velocidades, disse a Nasa./Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.