Josh Valcarcel/Johson Space Center/Nasa/EPA/EFE
Josh Valcarcel/Johson Space Center/Nasa/EPA/EFE

Nasa faz 1ª caminhada espacial só com astronautas mulheres; assista

Americanas Christina Koch e Jessica Meir saem da Estação Espacial Internacional para substituir fonte de energia

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2019 | 09h00

HOUSTON - As astronautas americanas Christina Koch e Jessica Meir fizeram história nesta sexta-feira, 18, ao participar da primeira caminhada espacial formada apenas por mulheres. A dupla substituiu a fonte de energia na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), em uma missão que durou sete horas e 17 minutos.

"Foi uma grande honra, um símbolo da exploração para todos aqueles que ousam sonhar e trabalham duro para realizar seu sonho", disse Jessica, de 42, bióloga marinha que está na Nasa desde 2013. "O que estamos fazendo agora mostra todo o trabalho nas décadas anteriores, de todas as mulheres, que trabalharam para nos levar onde estamos hoje", acrescentou ela, que teve sua primeira experiência fora da ISS. Uma caminhada no espaço só com mulheres havia sido programada para março, mas foi cancelada por causa de um problema com roupas para uma das astronautas, levando a sua substituição por um homem.

Elas, que estão a cerca de 410 quilômetros da superfície da Terra, saíram da estação para consertar a unidade de carga e descarga da bateria com defeito (BCDU) da ISS. Na estação, painéis fotovoltaicos convertem a luz solar em energia elétrica. Como a ISS fica muito tempo sem receber raios de Sol, são as baterias que armazenam a energia. Apesar da falha desde o fim de semana passado, diz a agência não houve prejuízo significativo à tripulação ou à missão. 

Assista:

A engenheira eletricista Christina Koch disse que os marcos de gênero, como a caminhada espacial, são especialmente significativos. "Muitas pessoas conseguem motivação com histórias inspiradoras de pessoas que se parecem com elas, e acho que esse é um aspecto importante da história", disse ela, em entrevista à Nasa em Houston neste mês. Ela, que participou de sua quarta caminhada fora da ISS, também deve completar o voo espacial mais longo de uma mulher enquanto permanece em órbita até fevereiro de 2020.

"Queremos garantir que o espaço esteja disponível para todas as pessoas, e este é outro marco nesta evolução", disse o administrador da Nasa, Jim Brindenstine. "Tenho uma filha de 11 anos e quero que ela se veja dona das mesmas oportunidades que tive quando estava crescendo." Por videoconferência, o presidente Donald Trump cumprimentou a dupla. "Vocês são mulheres muito corajosas e brilhantes", afirmou. 

Questionado sobre o motivo da demora para realizar a primeira caminhada espacial 100% feminina, o vice-administrador de funções da Nasa, Ken Bowersox, disse que a altura maior dos homens era uma vantagem. "Homens muito altos são os que conseguiram fazer o trabalho porque podiam alcançar e fazer as coisas mais facilmente", disse. "Mas também incorporamos mulheres nas equipes por seus cérebros. Elas têm aptidões diferentes, pensam de outra maneira."

Em 1963, a cosmonauta Valentina Tereshkova, da União Soviética, foi a primeira mulher no espaço, seguida de sua conterrânea Svetlana Savitskaya, em 1982. No ano seguinte, Sally Ride se tornou a primeira americana no espaço. 

EUA querem enviar mulher à Lua em 2024

A Nasa pediu ao Congresso aumento de seu orçamento para acelerar o programa Ártemis, que tem como objetivo levar um homem e uma mulher à Lua em 2024. O presidente Donald Trump tem o projeto de fazer, depois, uma expedição à Marte, na década de 2030. /AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.