Nasa lança site e Twitter para acompanhamento de asteroides

Atualmente são conhecidos 1.060 asteroides que podem chegar perigosamente perto do planeta Terra

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

29 de julho de 2009 | 17h48

A Nasa pôs online nesta quarta-feira, 29, uma série de serviços para facilitar o acompanhamento, pelo público em geral, dos objetos próximos da Terra (NEOs, na sigla em inglês). Esses NEOs são asteroides e cometas que se aproximam do nosso planeta, e que precisam ser rastreados para garantir que nenhum deles esteja em curso de colisão conosco.

 

Hubble fotografa vestígios de impacto na atmosfera de Júpiter

Bombardeio de meteoritos pode ter estimulado vida na Terra

 

De acordo com a agência espacial, até segunda-feira, 27, eram conhecidos mais de 6.000 desses objetos, dos quais 1.060 eram asteroides considerados "potencialmente perigosos" - isto é, com mais de 150 metros de diâmetro e que têm chance de chegar a uma distância da Terra inferior a 7,5 milhões de quilômetros, ou 5% da distância que separa a Terra do Sol.

 

Imagem do asteroide Eros, feita pela sonda Near Shoemaker, da Nasa, em 2000. Divulgação

 

O novo site, AsteroidWatch, promete trazer informações sobre missões da Nasa para o estudo de NEOs, asteroides e cometas, além de oferecer os fatos científicos mais recentes sobre esses corpos.

 

O serviço pretende ainda apresentar notícias sobre a descoberta de novos NEOs e a passagem próxima de asteroides pela Terra, por meio de um aplicativo que pode ser baixado da internet ou por um RSS.

Além disso, o AsteroidWatch pode ser acompanhado pelo Twitter, em @AsteroidWatch.

 

O risco de impacto um asteroide com a Terra é avaliado por uma escala internacional chamada Escala de Torino. Ela vai de zero ("probabilidade de colisão igual ou muito próxima a zero") a dez ("colisão certa, capaz de causar catástrofe global que ameaçará o futuro da civilização"). Atualmente, apenas um asteroide tem classificação superior a zero: é o 2007 VK184.

 

Com 130 metros e 3 milhões de toneladas, esse objeto tem 0,03% de chance de atingir a Terra em junho de 2048. O asteroide está no nível 1 da escala ("não há causa para preocupação do público... novas observações provavelmente levarão a uma designação de nível zero").

Tudo o que sabemos sobre:
nasaasteroidescometas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.