Nasa lança sondas para preparar o retorno do homem à Lua

Plano estabelecido após o desastre do Columbia em 2003 prevê a volta de astronautas ao satélite em 2019

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

18 de junho de 2009 | 18h34

A Nasa lançou nesta quinta-feira, 18, a bordo de um único foguete Atlas 5, as sondas LRO e Lcross, que estudarão a Lua em busca de sinais de gelo e de locais para um futuro desembarque de astronautas. O plano de exploração espacial da Nasa, que se encontra em revisão, atualmente prevê o retorno de seres humanos à Lua em 2019, a bordo de uma nova geração de naves, que começou a ser desenvolvida após o desastre do ônibus espacial Columbia, em 2003.

 

Veja também

linkFuturo da exploração espacial é discutido nos EUA

linkSonda japonesa não encontra água no pólo sul da Lua

linkJapão conclui com sucesso primeira missão de observação lunar

linkSatélite indiano faz 1ª imagem de dentro de cratera lunar

 

A busca por gelo é parte da prospecção de um terreno para uma futura base lunar. Ele seria um recurso precioso, fornecendo não só água, mas também combustível e oxigênio aos astronautas e reduzindo, assim, a massa total de insumos que teria de ser lançada da Terra para sustentar os habitantes de um posto lunar.

 

A LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter, ou Orbitador de Reconhecimento Lunar) deverá ficar em órbita do satélite durante pelo menos um ano, a cerca de 50 km da superfície, fazendo leituras com uma série de instrumentos. Entre eles, há um detector de nêutrons, para mapear a distribuição de hidrogênio na Lua e avaliar o risco da radiação ambiente para os futuros astronautas, e um altímetro laser, para mapear detalhadamente a topografia.

 

Já a sonda Lcross vai se dividir em duas seções, que colidirão, a uma velocidade de mais de 7.000 km/h, com o fundo de uma cratera localizada perto do polo sul da Lua. O objetivo é produzir uma massa de dejetos que possa ser analisada por cientistas, a fim de determinar se há gelo no local do impacto.

 

O foguete Atlas 5 parte com as duas sondas da base de Cabo Canaveral, na Flórida. Nasa

 

O alvo escolhido fica permanentemente à sombra, sem jamais receber luz direta do Sol. Alguns cientistas acreditam que locais assim podem acumular e preservar água congelada, transferida para a superfície lunar pelo impacto de cometas.

 

Ambas as sondas devem chegar à Lua quatro dias após o lançamento. Uma vez na vizinhança lunar, a LRO levará cerca de uma semana para entrar na órbita adequada para iniciar suas atividades científicas, e depois passará até 60 dias realizando testes em seus instrumentos, além de outros ajustes.

 

Já a Lcross dará uma série de voltas ao redor da Lua para posicionar-se o melhor possível para o impacto com o fundo da cratera. Cada órbita da sonda seguirá uma trajetória alongada e levará 37 dias para completar-se.

 

Imagem gerada a partir de fotos de sondas mostra crateras de sombra eterna na Lua. Nasa

 

Uma vez posicionada, a Lcross arremessará seu primeiro componente, na verdade um estágio do foguete responsável por levá-la à Lua, de encontro à cratera escolhida. O segundo componente então mergulhará atrás do foguete, atravessando a nuvem de dejetos liberada pelo impacto da carcaça de metal com o fundo da cratera e transmitindo os dados de volta para Terra.

 

Quatro minutos depois do impacto do foguete, o segundo componente também deverá chocar-se com a Lua, liberando uma segunda nuvem. Ambas as nuvens serão observadas e estudadas por telescópios baseados na Terra.

Tudo o que sabemos sobre:
luanasaorionlro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.