Nasa passa a desativar sistemas da Phoenix para poupar energia

Programada para durar 90 dias, a missão da Phoenix completa cinco meses de atividade no ártico marciano

da Redação,

29 de outubro de 2008 | 17h33

Numa tentativa de prorrogar a vida útil da sonda Phoenix, engenheiros da Nasa começaram, nesta semana, a desativar alguns sistemas a bordo do equipamento.   Programada para durar 90 dias, a Phoenix completa cinco meses de atividade no ártico marciano. Com a passagem do verão para o outono no hemisfério norte do planeta, a sonda vem gerando cada vez menos eletricidade, por conta da menor incidência de luz solar em seus painéis.  Ao mesmo tempo, o equipamento precisa de mais energia para se manter aquecido.   "Se não fizéssemos nada, em breve a energia necessária para operar o aparelho superaria a quantidade gerada diariamente", disse, em nota, o gerente de projeto da Phoenix, Barry Goldstein. "Ao desativar alguns instrumentos e aquecedores, poderemos prolongar a vida da sonda em várias semanas".   Ao longo das próximas semanas, quatro aquecedores serão desligados, um de cada vez, para poupar energia. Os aquecedores servem para manter os instrumentos da sonda na temperatura ideal de funcionamento e espera-se que, á medida que sejam desligados, esses instrumentos também parem de funcionar. A energia poupada será usada pela câmera da sonda e pelos instrumentos meteorológicos.   O primeiro aquecedor desativado é responsável pelo braço robótico e pelos fornos que "assaram" amostras de solo marciano em busca de sinais de água e matéria orgânica. Nenhuma nova amostra de solo será recolhida. Os engenheiros também preparam-se para conjunção solar, quando o Sol fica entre Marte e a Terra, impedindo a comunicação direta entre a Terra e a sonda. O período terá início em 28 de novembro, e perdurará até 13 de dezembro.

Tudo o que sabemos sobre:
martephoenix

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.