Reprodução
Reprodução

Nasa quer propostas para desenvolvimento de 'táxis' espaciais

Os Estados Unidos vão aposentar a frota de ônibus espaciais no ano que vem, após mais sete missões

IRENE KLOTZ, REUTERS

10 Agosto 2009 | 16h38

A Nasa, agência espacial norte-americana, pretende usar US$ 50 milhões do programa federal de estímulo econômico para fomentar o desenvolvimento de um serviço comercial de transporte de passageiros para o espaço, disseram membros da agência nesta segunda-feira.  

 

linkNasa defende nave projetada para substituir ônibus espacial

linkServiço de ônibus espacial deveria ser privatizado, diz comitê

Aspirantes a operadores espaciais terão 45 dias para enviar propostas para uma concorrência. Os vencedores do programa Commercial Crew Development devem ser anunciados antes do fim de setembro.

Os Estados Unidos vão aposentar a frota de ônibus espaciais no ano que vem, após mais sete missões que terão o objetivo de completar a construção da Estação Espacial Internacional, que custou US$ 100 bilhões e orbita a Terra a cerca de 360 quilômetros de altura.

Depois disso, os Estados Unidos planejam pagar para a Rússia pelo transporte de astronautas para a estação, que envolve 16 países.

A Nasa está gastando US$ 500 milhões para ajudar duas empresas norte-americanas, a Space Exploration Technologies - conhecida como SpaceX - e a Orbital Sciences Corp, para desenvolver foguetes e cápsulas para transportar carga para a estação.

O contrato da SpaceX inclui uma opção para adaptar a nave de carga Dragon para o transporte de passageiros. A empresa disse que precisa de UWS$ 300 milhões, dos quais a maior parte seria usada para desenvolver uma saída de emergência para a tripulação.

"É um pouco decepcionante que (o novo programa) seja só de US$ 50 milhões", reclamou o fundador e presidente-executivo da SpaceX, Elon Musk, à Reuters.

"Cinquenta milhões é o que custa um assento na Soyuz (da Rússia)".

 

 

Mais conteúdo sobre:
CIENCIA NASA PASSAGEIROS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.