Nasa tenta identificar defeitos na ISS e no ônibus espacial

Astronautas realizam a 100ª caminhada espacial da história da estação; engenheiros testam tanque do Atlantis

18 de dezembro de 2007 | 10h48

Dois astronautas da Estação Espacial Internacional (ISS) aventuraram-se no espaço nesta terça-feira, 18, para inspecionar dois mecanismos defeituosos que estão prejudicando a geração de energia para a base espacial. Segundo os controladores de vôo, esta é uma "missão de inquérito".   Enquanto isso, a 300km dali, na superfície terrestre, engenheiros pretendem iniciar o preenchimento do tanque externo do ônibus espacial Atlantis com hidrogênio líquido, num teste para determinar a causa das falhas seguidas nos sensores que monitoram a queima do combustível.  O problema pode estar em qualquer ponto dos 30 metros de circuitos entre a nave e o tanque, ou nos próprios sensores.   Os astronautas do Atlantis deveriam inspecionar a junta emperrada que impede que painéis solares da ISS acompanhem o Sol pelo céu, captando o máximo possível de energia. Mas com a viagem do ônibus espacial suspensa por conta do defeito nos sensores, a Nasa decidiu enviar a tripulação residente da estação para investigar o problema.   A comandante Peggy Whitson e o astronauta italiano Daniel Tani fizeram história ao deixar a escotilha da ISS: a caminhada especial desta terça-feira é a centésima realizada a partir da estação. Eles se dirigiram rapidamente para um mecanismo que deveria inclinar os painéis solares.   O componente apresentou defeito em 8 de dezembro, possivelmente por conta do impacto de um micrometeorito. Whitson e Tani foram instruídos a procurar por sinais de dano causado por colisão.   Terminada essa inspeção, eles se dirigirão para a junta rotatória principal, que deveria dar aos painéis liberdade para girar 360º. A junta vem sendo usada com parcimônia, no entanto, porque anda apresentando picos de corrente elétrica e vibrações imprevistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.