Divulgação/Nasa
Divulgação/Nasa

Nasa vai bombardear a Lua duas vezes, em busca de água

A nave LCROSS e o foguete que a ajudou a chegar ao espaço vão ser atirados na Lua na manhã de sexta

Associated Press,

08 Outubro 2009 | 15h29

A Nasa vai desferir um par de socos na Lua nesta sexta-feira, 9, e o mundo inteiro vai poder assistir na plateia. A agência espacial enviará uma nave para se chocar com polo sul e ver se um pouco de água congelada sobe junto com a poeira. A ideia é confirmar ou desmentir a teoria de que água - um recurso preciso para o caso de astronautas algum dia criarem uma base lunar - está escondida em crateras onde a luz do Sol nunca chega.

 

Sonda detecta novas evidências de água na Lua

Ponto mais frio do Sistema Solar fica na Lua, mostra sonda

Primeiro teste do sucessor do ônibus espacial é bem-sucedido

Comitê de Obama diz que plano de volta à Lua é impraticável

 

A nave condenada foi lançada em junho, juntamente com uma sonda orbital que neste momento mapeia a superfície lunar. LCROSS - sigla em inglês de Satélite de Observação e Sensoriamento de Cratera Lunar - está em curso de colisão com a Lua, ligada a um foguete de 2,2 toneladas que ajudou o satélite a sair do chão.

 

 Na noite desta quinta-feira, 8, cerca de 10 horas antes de se pulverizar e encontro á Lua, LCROSS e seu foguete vazio vão separar-se.

 

Aí vem a primeira parte da agressão. Às 8h31 da manhã de sexta (hora de Brasília) o foguete vazio vai colidir com uma cratera que vive em escuridão permanente, levantando uma nuvem de dejetos de 9 km de altitude.

 

Logo atrás mergulhará o próprio satélite LCROSS, transmitindo para a Terra imagens em tempo real do impacto e da pluma de dejetos levantada pelo foguete. Os sensores buscarão gelo enquanto a nave estiver mergulhando através da pluma, e quatro minutos depois a LCROSS também atingira a Lua, gerando uma nuvem de poeira com um terço do tamanho da gerada pelo impacto inicial.

 

"vai ser bem legal", disse o gerente de projeto da LCROSS,  Dan Andrews. "vamos entrar direto. Ver a Lua crescendo na sua direção será espetacular".

 

Uma hora mais tarde, cientistas saberão se havia ou não água no ponto de impacto.

 

A missão é parte da preparação para o programa dos sonhos da Nasa, de levar astronautas de volta à Lua e depois, a Marte. O programa está sob revisão da Casa Branca.

 

Essas não são colisões para as pessoas de coração fraco. As duas naves não se esmagar de encontro à Lua a 8.000 km/h, mais de sete vezes a velocidade  do som. A explosão terá a força de 1,5 tonelada de TNT e arremessará mais de 300 toneladas de poeira lunar para fora da cratera, abrindo uma nova cratera - no centro da antiga - do tamanho de uma piscina olímpica, diz Andrews.

 

A Lua sofre impactos da mesma intensidade cerca de quatro vezes ao mês, só que provocados por rochas espaciais, não naves. O da LCROSS tem a vantagem de ter sido planejado, e ocorrer no momento, no ângulo e no local corretos para oferecer dados interessantes para os astrônomos.

 

A cratera  escolhida como "vítima", Cabeus, é uma que tem grandes chances de conter gelo que pode ser liberado pelo choque.

 

As colisões também serão um bom entretenimento para as pessoas com computador em casa: ambas serão transmitidas ao vivo pela TV Nasa, com a programação relativa ao impacto começando às 7h15 da manhã (hora de Brasília). O Telescópio Espacial Hubble e outros grandes telescópios estarão apontando para a Lua.

Mais conteúdo sobre:
luanasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.