Menahem Kahana/Reuters
Menahem Kahana/Reuters

Netanyahu elogia papa por exonerar judeus da morte de Jesus

Declaração foi dada por Bento XVI em livro que será lançado em 10 de março

EFE,

03 Março 2011 | 18h20

Jerusalém, 3 mar (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, elogiou nesta quinta-feira o papa Bento XVI por exonerar os judeus pela condenação de Jesus à morte e lembrou da importância que a acusação teve na história do antissemitismo.

"Lhe louvo por rejeitar com firmeza em seu recente livro Jesus de Nazaré - que será lançado no dia 10 de março - a falsa acusação que constituiu uma base do ódio ao povo judeu durante muitos séculos", assinalou Netanyahu em comunicado.

O chefe de Governo israelense manifestou também sua "esperança" em que a "clareza e a coragem" que mostrou o pontífice ao desautorizar a ideia do deicídio judeu "reforce as relações entre judeus e cristãos ao longo do mundo e ajude a promover a reconciliação para as gerações vindouras".

"Espero ver-lhe de novo em breve e expressar-lhe pessoalmente o profundo apreço que lhe professo", conclui a nota.

Veja também:

link Bento XVI exonera judeus de serem os culpados pela morte de Jesus

No livro, que o Vaticano antecipou na quarta-feira alguns capítulos, o papa assinala que, quando no Evangelho de Mateus se fala que "todo o povo" pediu a crucificação de Cristo, "não se expressa um fato histórico".

"O verdadeiro grupo dos acusadores são os círculos contemporâneos do templo e a massa que apoiava Barrabás", precisa, de maneira categórica.

O Concílio Vaticano II (1962-1965) promulgou a declaração "Nostra Aetate", com o fim dos católicos retiraram as acusações de deicídio contra os judeus. EFE

Mais conteúdo sobre:
religião papa Bento XVI judaísmo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.