Neto de fumante corre mais risco de ter asma

Um menino cuja avó tiver fumado durante a gravidez poderá ter o risco de desenvolver asma infantil duas vezes maior do que o de crianças sem esse antecedente, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista médica Chest.O estudo foi realizado por pesquisadores da Escola Keck de Medicina da Universidade do Sul da Califórnia e sugere que os efeitos prejudiciais do tabaco nos pulmões podem chegar a duas gerações posteriores, das avós aos netos, embora a mãe destes não seja afetada."Este é o primeiro estudo que mostra que, se uma mulher fumar enquanto estiver grávida, tanto seus filhos como seus netos têm mais probabilidades de sofrer asma", disse o diretor da pesquisa, Frank Gilliland, professor de Medicina Preventiva em Keck."Suspeitamos que quando uma mulher grávida fuma, o tabaco pode afetar o DNA do feto e, se for uma menina, também suas futuras células reprodutivas", disse o pesquisador."Por enquanto só podemos conjecturar que o que ocorre é que o dano ocorrido afeta o sistema de imunidade da criança e aumenta sua suscetibilidade à asma, o que depois passa para seus próprios filhos", acrescentou.O estudo realizado em Keck indica que as crianças cujas mães fumaram durante a gestação tinham 1,5 mais probabilidade de desenvolver asma nos primeiros anos de vida do que as crianças cujas mães não fumaram durante a gravidez.As crianças cujas avós fumaram durante a gravidez tinham 2,1 mais probabilidades de desenvolver asma.Os pesquisadores entrevistaram parentes ou tutores de 908 crianças e adolescentes com até 16 anos de idade, do sul da Califórnia, que participaram de um estudo de saúde.Dos participantes, 338 tinham sofrido asma antes dos 5 anos de idade e outros 570 não sofriam da doença.

Agencia Estado,

12 de abril de 2005 | 09h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.