Nicolelis, o 'fenômeno' da ciência brasileira

O mais famoso cientista do Brasil é o único exemplo no País de um pesquisador que extrapolou os limites do laboratório para se transformar em uma verdadeira celebridade popular

Herton Escobar, O Estado de S. Paulo

01 Junho 2014 | 05h00

SÃO PAULO - A seleção brasileira não tem mais Ronaldo. Mas o Brasil terá um outro "fenômeno" em campo na abertura desta Copa do Mundo. Mestre em driblar adversários, emplacar projetos espetaculares, atrair patrocinadores e levantar torcidas, Miguel Nicolelis é o cientista mais famoso do Brasil. Um raro exemplo - único no País - de um pesquisador que extrapolou os limites do laboratório para se transformar numa verdadeira celebridade popular, adorada pelas massas.

Suas páginas no Facebook e no Twitter têm mais de 28 mil e 25 mil seguidores, respectivamente. Pouco, se comparado a um astro da música ou das telenovelas, mas impressionante para um cientista. E sua audiência cresce diariamente.

Qualquer postagem sua no Facebook, mesmo que seja uma simples contagem regressiva para a abertura da Copa, atrai centenas de "likes", acompanhados de comentários emocionados de agradecimento e admiração que conferem a Nicolelis uma aura com contornos de messias científico.

"Tanto os indivíduos que anseiam pela cura e reabilitação própria ou de seus familiares, quanto os pesquisadores e seus auxiliares, são verdadeiros devotos da ciência", diz o sociólogo André Ricardo de Souza, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em artigo escrito para o Estado. Uma simbologia reforçada pelo ato de fazer um paraplégico "voltar a andar", justamente na abertura de um torneio de futebol - esporte que também é adorado de forma quase que religiosa por milhões de pessoas mundo afora.

Duas paixões. A paixão simultânea pela ciência e pelo futebol, aliás, é uma das características mais marcantes de Nicolelis, que ajuda a colocá-lo mais próximo do público do que qualquer outro cientista brasileiro.

Paulistano, nascido no tradicional bairro italiano do Bexiga, em 1961, Nicolelis é torcedor fanático do Palmeiras. Narra todos os jogos do clube pelo Twitter, lance a lance, gritando gol, falando mal do juiz, questionando impedimentos e pedindo substituições em campo como qualquer torcedor. A página de seu laboratório na Universidade Duke é decorada com o escudo do time; e na foto de seu perfil no Twitter, veste a camisa da seleção brasileira. Um perfil atípico entre os cientistas, que normalmente interagem pouco com o público - e quando o fazem, costumam falar apenas de ciência.

"Ele sabe dialogar com o público", diz o sociólogo e presidente da Finep, Glauco Arbix. Também contribui para sua popularidade, segundo ele, o fato de Nicolelis trabalhar com um problema "concreto, cruel e que incomoda muita gente", que é a paralisia. Ninguém precisa entender de ciência para aplaudir e se emocionar com a cena de um paraplégico levantando da cadeira de rodas, vestindo um robô controlado pelo cérebro. Diferentemente de outras áreas da biomedicina, igualmente importantes, mas cujos resultados tomam a forma de pílulas ou de células, por exemplo, que só podem ser vistas por um microscópio. 

O patriotismo explícito, evidenciado pelas bandeiras e camisas verde-e-amarelas, são outra marca registrada de Nicolelis, assim como a admiração pelo brasileiro Alberto Santos Dumont, que dá nome ao exoesqueleto que será demonstrado na Copa (protótipo BRA-Santos Dumont 1) e à organização social pela qual Nicolelis gerencia o projeto Andar de Novo e o seu instituto de neurociências de Natal - a Associação Alberto Santos Dumont para Apoio à Pesquisa (AASDAP).

Formado em Medicina e Fisiologia pela Universidade de São Paulo (USP), Nicolelis deixou o Brasil em 1989 para um pós-doutorado na Universidade Hahnemann, na Filadélfia, e na sequência foi contratado pela Universidade Duke, na Carolina do Norte, onde permanece até hoje, como professor e pesquisador.

Entre 1999 e 2000, deu o pontapé inicial na área de interface cérebro-máquina, com a publicação de dois trabalhos pioneiros que mostraram, pela primeira vez, a capacidade de controlar aparatos robóticos por meio de comandos cerebrais. O primeiro estudo foi feito com ratos e o segundo, com uma macaca. Os resultados deram fama internacional a Nicolelis e garantiram ao seu laboratório um fluxo generoso de recursos oriundos das principais agências de fomento dos Estados Unidos, como os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) e a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada em Defesa (Darpa), do Pentágono.

Várias outros trabalhos de impacto se seguiram, assim como críticas relacionadas à maneira midiática e por vezes megalomaníaca com que Nicolelis costuma divulgar seus projetos. Sua decisão de colocar um paraplégico para dar um chute na abertura da Copa do Mundo, com apenas um ano e meio para se preparar, e sem nunca ter tentado isso antes, mostra que ele não está dando muita bola para isso.

Esperança. "Espero que esse marketing todo dele seja verdadeiro", disse ao Estado a deputada federal Mara Gabrilli, tetraplégica há quase 20 anos, por conta de um acidente de carro. "Estou torcendo muito para que dê certo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.