Jonathan NACKSTRAND / AFP
Jonathan NACKSTRAND / AFP

Nobel de Medicina 2021 vai para dois cientistas que estudam receptores para temperatura e tato

David Julius e Ardem Patapoutian, pesquisadores de universidades dos Estados Unidos, foram laureados conjuntamente na manhã desta segunda, 4

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2021 | 06h42
Atualizado 04 de outubro de 2021 | 23h56

O Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2021 foi concedido conjuntamente a David Julius e Ardem Patapoutian “por suas descobertas de receptores para temperatura e tato”, anunciou Thomas Perlmann, secretário do Comitê Nobel, na manhã desta segunda-feira, 4. Os vencedores descobriram como os impulsos nervosos são iniciados para que a temperatura e a pressão possam ser percebidas. 

Ardem Patapoutian nasceu em 1967 em Beirute, Líbano. Em sua juventude, mudou-se de uma Beirute devastada pela guerra para Los Angeles, nos Estados Unidos. Em 1996, concluiu o doutorado no Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena. O pós-doutorado foi obtido na Universidade da Califórnia, San Francisco. Desde 2000, ele é um cientista na Scripps Research, La Jolla, Califórnia, onde agora é professor. Patapoutian é também pesquisador do Howard Hughes Medical Institute desde 2014.

David Julius nasceu em 1955 em Nova York, Estados Unidos. Ele concluiu o doutorado em 1984 na Universidade da Califórnia, Berkeley, e fez pós-doutorado na Universidade de Columbia, em Nova York. David Julius foi recrutado para a Universidade da Califórnia, em São Francisco, em 1989, onde agora é professor.

David Julius utilizou a capsaicina, um composto da pimenta malagueta que induz uma sensação de queimação, para identificar um sensor nas terminações nervosas da pele que responde ao calor. Já Ardem Patapoutian usou células sensíveis à pressão para descobrir uma nova classe de sensores que respondem a estímulos mecânicos na pele e órgãos internos.

"Isso realmente revela um dos segredos da natureza", disse Perlmann. "É uma descoberta muito importante e profunda porque é crucial para a nossa sobrevivência", afirmou.

Perlmann disse que conseguiu falar com os dois vencedores - que dividiram o prestigioso Prêmio Kavli de Neurociência no ano passado - antes do anúncio oficial. "Eu só tive alguns minutos para falar com eles, mas eles estavam incrivelmente felizes", contou. "E eu poderia dizer que eles ficaram muito surpresos e um pouco chocados, talvez."

Havia uma expectativa para que o prêmio deste ano fosse concedido a pesquisadores envolvidos no desenvolvimento da vacina de mRNA contra a covid-19, tecnologia considerada revolucionária. Eles ainda podem ser laureados com o Prêmio Nobel de Química. Outros temas que estavam nas previsões dos especialistas eram adesão celular, epigenética, resistência a antibióticos e novos tratamentos em reumatologia.

Esta é a 112º edição do Prêmio Nobel de Medicina, que já teve 224 cientistas laureados. Apenas 12 mulheres estão entre os vencedores. O prêmio do ano passado foi para três cientistas que descobriram o devastador vírus da hepatite C. O achado levou à cura da doença mortal e ao desenvolvimento de testes para evitar que o flagelo se espalhe pelos bancos de sangue. 

O prestigioso prêmio vem com uma medalha de ouro e 10 milhões de coroas suecas (mais de R$ 6,1 milhões). O prêmio em dinheiro vem de uma herança deixada pelo criador do prêmio, o inventor sueco Alfred Nobel, que morreu em 1895.

Pelo segundo ano consecutivo, os vencedores do Nobel não comparecerão à cerimônia de premiação em Estocolmo, no dia 10 de dezembro, devido à pandemia, algo nunca visto em tempos de paz desde 1924. Como no ano passado, os prêmios serão entregues nos países de residência dos vencedores, embora a esperança ainda não tenha sido totalmente perdida para o Prêmio da Paz, entregue em Oslo.

Os favoritos para o Nobel da Paz este ano são: liberdade de imprensa (Repórteres sem Fronteiras, Comitê para a Proteção de Jornalistas e outros), a oposição bielorrussa (com destaque para a líder Svetlana Tijanovskaya) ou o clima (em particular a ativista sueca Greta Thunberg, de 18 anos). Também existe a possibilidade de o prêmio ser entregue à Organização Mundial da Saúde (OMS) ou ao programa Covax, consórcio que tem como objetivo levar a vacina contra a covid-19 a países pobres. No entanto, os especialistas dizem que as chances da entidade e da iniciativa foram reduzidas devido às taxas de vacinação desiguais e controversas.

Para a Literatura, como sempre, há dezenas de apostas. Há quem se pergunte se a Academia Sueca, que busca diversificar o perfil dos vencedores, vai escolher um não ocidental, já que o chinês Mo Yan foi em 2012 o último não americano ou europeu a ganhar o prêmio.

O prêmio de fisiologia ou medicina é o primeiro a ser concedido este ano. Veja a agenda:

  • Terça-feira, 5: Prêmio Nobel de Física
  • Quarta-feira, 6: Prêmio Nobel de Química
  • Quinta-feira, 7: Prêmio Nobel de Literatura
  • Sexta-feira, 8: Prêmio Nobel da Paz
  • Segunda-feira, 11: Prêmio Nobel de Economia

/Com AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.