REUTERS/Shannon Stapleton
REUTERS/Shannon Stapleton

Nossa origem conturbada

A conclusão é de que nossa evolução está longe de ter sido linear

Fernando Reinach*, O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2018 | 03h00

Ninguém duvida que somos descendentes de macacos que viveram milhões de anos atrás. Mas a imagem que representa a transformação de um macaco em um ser humano – aquela em que aparece uma sequência de hominídeos que aos poucos vão se tornando eretos, perdendo os pelos e carregando machados – é, no mínimo, enganadora. Essa imagem sugere a existência de uma série de espécies que foram se transformando uma na outra, de forma linear, até surgir o Homo sapiens moderno. E não foi isso que ocorreu.

Formalmente uma espécie consiste em um grupo de indivíduos que praticam sexo e são capazes de produzir filhos férteis, como é o caso dos humanos. Jumentos e cavalos acasalam, produzem burros e mulas, mas esses animais não são férteis. Portanto cavalos e jumentos são espécies distintas. 

Espécies muito semelhantes são agrupadas em gêneros, mas esse é um agrupamento arbitrário, com base na semelhança. É bom lembrar que o nome de cada ser consiste em duas palavras, uma se refere ao gênero a que ele pertence, outro à espécie. Somos Homo sapiens, os únicos representantes vivos do gênero Homo, mas no passado existiram outros membros do gênero, como o Homo erectus e o Homo neanderthalensis, que surgiram e desapareceram em diferentes épocas, em diferentes continentes.

O problema é que essa definição de espécie funciona bem para animais vivos, onde se pode observar se o grupo pratica sexo e produz filhos férteis, mas é um problema para os cientistas que estudam fósseis. Crânios fossilizados e outros ossos de animais extintos não praticam sexo ou geram filhos. Por isso, os cientistas agrupam os diferentes esqueletos fósseis em gêneros e espécies com base unicamente nas semelhanças e morfológicas. Para entender o problema, imagine um cientista em um futuro distante (após a extinção dos cães) que encontre um crânio de um cachorro pequinês e de um pastor alemão. Provavelmente seriam classificados como espécies distintas.

Nos últimos séculos foram achados na África esqueletos suficientemente semelhantes aos nossos para serem colocados no gênero Homo. Os mais antigos datam de mais de 2 milhões de anos atrás. Esses esqueletos foram classificados como pertencentes a diferentes espécies e receberam seus respectivos nomes. Fora da África, os esqueletos mais antigos classificados como sendo do gênero Homo datam de 1,8 milhões de anos atrás. É por isso que acreditamos que o gênero Homo surgiu na África.

Por outro lado, os crânios mais antigos que podem ser classificados como sendo praticamente idênticos aos nossos só apareceram na África por volta de 500 mil anos atrás. Quando esses esqueletos semelhantes ao nossos apareceram, outros Homo já haviam se espalhado pela Ásia e parte da Europa. Os esqueletos semelhantes ao homem moderno mais antigo achados fora da África são de 130 mil anos, e por isso dizemos que nossa espécie surgiu na África.

Por volta de 40 mil anos atrás, indivíduos com crânios muito semelhantes aos nossos habitavam todos os continentes e os outros Homo já haviam desaparecido. A conclusão com base unicamente em fósseis é que o gênero Homo deixou a África em pelo menos duas épocas, a primeira por volta de 2 milhões de anos atrás. 

Esses hominídeos deram origem aos neandertais, aos denisovan e outros grupos. Na segunda vez que o gênero Homo deixou a África (por volta de 130 mil anos atrás), seus representantes já eram muito semelhantes ao homem moderno e, ao se espalhar pelo planeta, provavelmente causaram o desaparecimento dos neandertais e de outros grupos, como os denisovan. Nessa narrativa, neandertais, denisovam ou os outros grupos do gênero Homo que saíram na primeira leva não fazem parte de nossos ancestrais.

Essa história parecia fazer sentido até 20 anos atrás, quando os cientistas começaram a sequenciar o DNA extraído de ossos antigos. Com isso foi possível comparar os genomas de diferentes membros do gênero Homo ao genoma do homem moderno. 

A primeira surpresa foi que todas as populações modernas de Homo sapiens (nós) que vivem fora da África têm em seu genoma até 2% de genes que vieram dos neandertais. E mais: as populações africanas, praticamente idênticas a nós, não possuem genes de neandertais. Isso demonstra que somos também descendentes parciais dos neandertais, cujos ancestrais saíram da África mais de 1 milhão de anos antes do homem moderno. Logo depois, sequenciando o genoma dos denisovan, outra população de descendentes dos Homo que saíram cedo da África, foi descoberto que eles também tinham genes de neandertais. E seus genes também estavam nas populações modernas, principalmente nos asiáticos. E, semana passada, um novo sequenciamento descobriu que um esqueleto achado é de uma filha direta de um denisovan e um neandertal. 

Nossos ancestrais, apesar de terem surgido na África e saído dela recentemente, acharam no Oriente Médio, na Europa e em parte da Ásia outros grupos de Homo, como os neandertais, com quem tiveram filhos férteis. Os dados indicam que somos descendentes tanto da primeira leva de Homo que deixaram a África como da segunda. E hoje se questiona se neandertais e denisovans eram espécies distintas ou diferentes raças da população que deu origem ao Homo sapiens moderno.

A conclusão é de que nossa evolução está longe de ter sido linear. Muito provavelmente tanto na África quanto após a saída desse continente, nossa espécie e seu genoma foram moldados em um ambiente onde existia grande número de populações de Homo, umas mais semelhantes do que as outras, que trocaram genes por milhares de anos. Somos o resultado desse processo de mistura.

MAIS INFORMAÇÕES: NO LIVRO DE DAVID REICH: WHO WE ARE AND HOW WE GOT HERE. ANCIENT DNA AND THE NEW SCIENCE OF THE HUMAN PAST. PANTHEON BOOKS (2018)

*É BIÓLOGO

Mais conteúdo sobre:
arqueologiaFóssil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.