Novo material estimula reconstituição de ossos

Médicos de Campinas utilizaram um material inédito para estimular a formação óssea em pacientes com problemas de perda óssea e consolidação de fraturas.O tricálcio fosfato já é utilizado em países como os Estados Unidos, mas o produto desenvolvido em Campinas torna mais eficiente o processo de recuperação porque absorve maior quantidade de células-tronco extraídas da medula óssea do próprio paciente.O material foi desenvolvido por uma equipe multidisciplinar, de ortopedistas, engenheiros químicos e biólogos. Segundo Éverson Giriboni, um dos pesquisadores e médico ortopedista do Instituto Affonso Ferreira - onde ocorreu a cirurgia, na terça-feira -, a pesquisa foi concluída há seis meses e apresentada há três semanas em um congresso sobre o tema nos EUA.?A partir da informação de que a célula-tronco tem um diâmetro maior que as outras células, nossa equipe desenvolveu um material sintético com porosidade de diâmetro também maior. O produto absorve mais células-tronco e descarta as menores, algumas que até atrapalham o procedimento?, comentou Giriboni.O ortopedista explicou que o tricálcio fosfato é um composto de cálcio e fósforo, composição básica do osso humano. Tem 86% de porosidade, também similar à do osso.Giriboni disse conhecer três indústrias que produzem o tricálcio convencional, duas nos EUA e uma na Suíça. O produto brasileiro foi fabricado em uma indústria de implantes ortopédicos de Campinas.Com o formato e o tamanho de uma pastilha, o material é embebido em líquido da medula óssea para absorver células-tronco e aplicado na lesão, onde permanece e ajuda a reconstruir o osso. A recuperação dura quase o mesmo tempo de uma fratura comum, explicou o ortopedista. Ele afirmou que não há risco de rejeição.A primeira paciente a receber o material tem 36 anos e sofreu uma grave fratura de fêmur há 16 anos. Um dos locais fraturados não colou. A expectativa dos médicos é de que o novo material estimule a formação óssea para consolidar o fêmur da paciente.Os resultados somente poderão ser avaliados depois do período de recuperação, previsto para 8 a 12 semanas.

Agencia Estado,

08 de abril de 2005 | 15h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.