Novo método permite criar materiais de alta resistência

Um grupo de cientistas está prestes a desenvolver um método para obter materiais de grande resistência, que podem ser usados na produção de energia por fusão, com aplicações na proteção de naves espaciais e estruturas seguras para automóveis.Um dos responsáveis pela pesquisa, Eduardo Bringa, que está participando de um congresso em Madri, disse que é a primeira vez que se consegue fazer experimentos com ondas de choque em nanocristais, e ao mesmo tempo realizar simulações numéricas em supercomputadores para interpretar os resultados.As conclusões desta pesquisa, realizada no laboratório nacional Lawrence Livermore da Califórnia, nos Estados Unidos, estão publicadas na mais recente edição da revista Science.Segundo Bringa, os materiais da vida cotidiana são feitos de "grãos", que recebem o nome de nanocristais se seu tamanho for de menos de 100 nanômetros e possuírem propriedades "extraordinárias", como uma "grande dureza".No entanto, quando os grãos são "muito pequenos", eles deslizam uns sobre os outros e o material se deforma, "o que coloca um limite para a dureza".Para evitar este deslizamento, a equipe de Bringa submeteu nanocristais de níquel e cobre a muita pressão, ao mesmo tempo em que realizavam simulações com grandes computadores. Segundo o pesquisador, a alta pressão aumenta o atrito entre os grãos e reduz o deslizamento entre eles, e com isso torna os materiais mais duros, desde que seja aplicada neles a onda de choque.Por enquanto, a aplicação mais próxima deste método é a criação de cápsulas para conseguir energia de fusão, já que torna mais rígidas quantidades "muito pequenas" de material.Estruturas de automóveis mais seguros e o revestimento de uma nave espacial que resista a pequenos meteoritos são dois objetivos"que estão no caminho" da equipe de Bringa, que afirmou ser possível chegar a esta meta em um futuro próximo, quando conseguirem aplicareste método a grandes quantidades de material.

Agencia Estado,

16 de setembro de 2005 | 18h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.