Novo telescópio no Chile buscará cometas e planetas fora do Sistema Solar

Equipamento, que será controlado a partir da Bélgica, vai ajudar a pesquisar a origem da vida

EFE

08 Junho 2010 | 14h23

A nebulosa de Tarântula, primeira imagem feita pelo Trappist. Divulgação/ESO

 

 Um novo telescópio robótico buscará e estudará, a partir do observatório La Silla, no norte do Chile, planetas localizados fora do Sistema Solar (exoplanetas) e cometas que orbitam ao redor do Sol, informou hoje o Observatório Europeu Austral (ESO, na sigla em inglês).

 

Entrada do Brasil em organização astronômica europeia cria polêmica

Planetas com órbitas inclinadas desafiam teorias

Estudo brasileiro reforça hipótese de que vida na Terra veio do espaço

Asteroide revestido de gelo pode ajudar a entender origem dos oceanos e da vida

 

O telescópio Trappist (Transiting Planets and Planetesimals Small Telescope) detectará e caracterizará exoplanetas realizando medições de alta precisão das reduções de luminosidade que podem ser causadas por exoplanetas que cruzam a linha de visão entre a Terra e a estrela que orbitam.

 

Durante essas passagens, chamadas trânsitos, o brilho observado da estrela diminui levemente porque o planeta bloqueia parte da luz.

 

Quanto maior o planeta, mais luz bloqueia e mais diminui a luminosidade, explicou a agência científica, em comunicado.

 

Além disso, o telescópio de quase 60 centímetros de diâmetro, que é operado desde uma sala de controle a 12 mil quilômetros de distância, em Liège, Bélgica, será usado para o estudo dos cometas austrais, que aparecem no céu do hemisfério sul.

 

Para isso, o telescópio conta com filtros especiais de alta qualidade que permitem aos astrônomos estudar regularmente, e em detalhe, a ejeção de diversos tipos de moléculas desde os cometas durante sua viagem ao redor do Sol.

 

"Observando dúzias de cometas a cada ano, obteremos um conjunto único de dados e teremos importantes informações sobre sua natureza", diz no comunicado o diretor da área de cometas do projeto, Emmanuël Jehin.

 

Michaël Gillon, que está a cargo do estudo de exoplanetas, explicou que o projeto Trappist é parte importante de um campo de investigação emergente, a astrobiologia, que estuda a origem e a distribuição da vida no Universo.

 

"Os planetas terrestres similares à Terra são alvos óbvios na busca de vida fora do Sistema Solar, enquanto se suspeita que os cometas desempenharam um papel importante na aparição e desenvolvimento da vida em nosso planeta", acrescentou Jehin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.