Novo tratamento contra câncer hepático prolonga a vida de doentes

Um tratamento de radiação centralizada combinada com quimioterapia, desenvolvido por médicos americanos, conseguiu prolongar a vida de pacientes com câncer hepático, um dosmais letais. Até agora, a cirurgia foi a melhor forma de atacar esse tipo de câncer que causará neste ano cerca de 667.000 mortes no mundo, 83%delas nos países em desenvolvimento, segundo números da Sociedade do Câncer dos EUA. Os pesquisadores do Centro de Oncologia da Universidade de Michigan disseram que o novo tratamento conseguiu prolongar de maneira considerável a vida de seus pacientes. O tratamento consiste, principalmente, em centralizar a radiação sobre o tumor e não na totalidade do fígado como tem sido feito atéAgora. Ao mesmo tempo, a quimioterapia aplicada tem 400 vezes mais medicamentos que em um tratamento convencional. "Esta combinação aplicada de forma intensiva a permite chegar diretamente ao tumor e limita a exposição do tecido normal à radiação", disseram os cientistas em um relatório divulgado pela publicação especializada Journal of Clinical Oncology. No estudo, os pacientes receberam radiação duas vezes por dia, durante duas semanas, junto com a aplicação contínua de quimioterapia com o remédio floxuritine, aplicado por meio de um cateter naartéria que alimenta diretamente o fígado. Os pacientes descansaram durante 14 dias antes de retornarem ao processo durante outras duas semanas. A sobrevivência típica de doentes de câncer hepático é de entre oito e nove meses, mas com o tratamento ao que 128 pacientes se submeteram a média foi de 15,8 meses. Na maioria dos casos, tratou-se pacientes com câncer no conduto hepático ou no cólon, que se propagou para o fígado. Todos eles tinham em comum o fato de não serem candidatos a uma cirurgia eque seus índices médios de sobrevivência eram de oito ou nove meses. Com o novo método de radiação, os pacientes com câncer no fígado viveram uma média de 15,2 meses; com câncer no conduto hepático, 13,3 meses, e aqueles com câncer de cólon, 17,2 meses. "Os pacientes com câncer colo-retal com metástases que participaram deste teste clínico, já não tinham chances de quimioterapia quando entraram no estudo", disse Edgar Ben-Josef, professor de radiação oncológica da Escola de Medicina daUniversidade de Michigan. "Portanto, uma média de sobrevivência de 17 meses neste tipo de pacientes é uma melhora substancial e definitivamente relevante em termos clínicos", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.