Novos estudos determinam origem dos cachorros domésticos

A história de amizade entre homem e cão começou cerca de 15 mil anos atrás no leste asiático. Foi lá que, segundo estudos publicados na edição de amanhã da revista Science, antepassados humanos domesticaram os primeiros lobos, que se tornaram cachorros - como os conhecemos hoje ? e acompanharam seus donos na travessia do Estreito de Bering para colonizar as Américas, entre 12 mil e 14 mil anos atrás.Chegando ao Novo Mundo, os migrantes preferiram não cruzar seus animais com lobos americanos, preservando sua herançagenética original. Ou seja, todos os cachorros modernos, dominúsculo pincher ao grande dog alemão, descendem de um mesmo grupo de lobos asiáticos.As diferentes raças teriam surgido de cruzamentos múltiplos realizados pelo homem ao longo dos últimos 500 anos, e não deorigens genéticas diferentes, segundo os pesquisadores. Uma dasequipes, coordenada por Peter Savolainem, do Instituto Real deTecnologia da Suécia, analisou o DNA de 654 cães domésticos,representando todas as populações caninas existentes, e 38 loboseurasianos.A outra, liderada por Carles Vila, da Universidade Uppsala,também na Suécia, estudou as características genéticas de antigos fósseis caninos das Américas. Os resultados fortalecem a hipótese da origem comum e indicam que os cachorros se espalharam rapidamente pelo mundo com o homem logo após serem domesticados.Que os cães evoluíram dos lobos não é novidade, mas até agora não era possível dizer como e quando exatamente essa evoluçãoocorreu. Pelas informações genéticas, o processo de domesticaçãoteria se iniciado entre 15 mil e 40 mil anos atrás. Como o fóssil mais antigo de um cachorro já encontrado - na Alemanha - data de 14 mil anos, a primeira estimativa seria mais correta, segundo os pesquisadores.A domesticação teria ocorrido dentro de um único grupode lobos asiáticos, provalmente lobos-cinzas da China, em vez devários tipos domesticados em diferentes regiões.

Agencia Estado,

21 de novembro de 2002 | 17h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.