Núcleo do Projeto Pomar recebeu 15 mil visitantes

Entre abril e dezembro, cerca de 15 mil pessoas visitaram o Núcleo de Educação Ambiental (NEA) do Projeto Pomar, iniciativa do Jornal da Tarde desenvolvida em parceria com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e empresas privadas. Se depender do secretário José Goldemberg, o número crescerá para 150 mil este ano. A meta é ampliar o investimento no NEA, atendendo uma quantidade cada vez maior de estudantes e capacitando professores para o trabalho em sala de aula."O mais importante é a educação ambiental", defende Goldemberg. "A melhora do meio ambiente na cidade depende disso." O secretário cita como exemplo o problema do lixo na capital, que muitas vezes vai parar nos rios e agrava as enchentes. "Não temos onde colocá-lo", ressalta. "A coleta seletiva e a reciclagem são a resposta." O Pomar trabalha com reciclagem todo o tempo, desde a separação do lixo até a produção de húmus com minhocas.Como o NEA tem estrutura para capacitar professores em educação ambiental, Goldemberg pretende incrementar os programas que já são desenvolvidos. "A recuperação de áreas degradadas é uma grande necessidade em São Paulo", observa. "Cerca de 900 hectares de verde deveriam ter sido preservados nas margens de rios e represas e não foram. O Projeto Pomar é uma das tentativas de remediar isso."Para o secretário, apesar de existir há apenas dois anos, a iniciativa já conseguiu recuperar a vegetação às margens do Pinheiros. "E isso foi feito na Europa", completa. "Na Suíça e no interior da França, as matas ciliares originais foram recuperadas e os rios não são canais de esgoto, como aqui." A limpeza da água do Rio Pinheiros neste ano, pelo processo de flotação, complementará o projeto.Outro ponto destacado por Goldemberg é o efeito demonstração dado pelo Pomar. Quem passa pela Marginal do Pinheiros e observa o colorido das flores e os pequenos bosques que já estão se formando constata que o projeto funciona. Uma das provas disso é sua exportação para outros municípios do Estado de São Paulo.A mais recente cidade que aderiu ao Pomar foi Cotia. Lá serão recuperadas as margens do Rio Cotia e de seus principais afluentes, além dos canteiros da Rodovia Raposo Tavares e o trevo rodoviário Emílio Guerra. Será também criado o Parque do Lago do Curupira."Não vamos conseguir recuperar uma grande área, mas temos uma tecnologia que pode ser exportada", diz o secretário. "Estamos pensando em criar um programa de apoio às prefeituras. O custo inicial não é alto, mas os empresários nem sempre acreditam na força do Pomar, no início. É preciso conhecer para depois investir".O Projeto Pomar promoveu o plantio das margens do Rio Pinheiros e seguirá, em breve, para o Rio Tietê. Além disso, vem sendo desenvolvidos em rios e córregos de cidades como Mairiporã Osasco, Atibaia e Cotia.

Agencia Estado,

24 de fevereiro de 2002 | 22h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.