Obesidade gera custos de R$ 15 milhões anuais no País

O governo brasileiro gasta todos os anos, em média, R$ 15 milhões no tratamento de doenças associadas à obesidade, como diabete, enfarte e hipertensão. Além disso, uma estimativa recente da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) apontou que 10% dos adolescentes brasileiros entre 10 e 15 anos são obesos.Essas informações levam os gestores públicos brasileiros a concluir que é muito mais barato, rápido e eficiente prevenir a ocorrência de novos casos de obesidade. Isso deve ser feito principalmente nos primeiros anos de vida do indivíduo, o que seria melhor do que gastar fortunas no combate a essas doenças relacionadas ao ganho excessivo de peso.?A criança não consegue distinguir a fantasia de uma propaganda com o mundo real dos alimentos nocivos à saúde humana?, acredita Rosely Sichieri, professora do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).?Por isso, ou as propagandas devem passar a mostrar como prevenir o consumo excessivo desses alimentos, ou esse número tenderá a crescer a um ritmo cada vez mais acelerado. Atualmente, só o tabagismo excede a obesidade nos custos associados ao tratamento dessas doenças?, alerta.IntervalosNos intervalos de programas infantis na televisão brasileira, a cada 10 minutos de exibição, 1 minuto tem como objetivo estimular o consumo de produtos alimentícios com alto teor de gordura saturada e açúcar refinado, segundo pesquisadores do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - que analisaram durante um mês o conteúdo das campanhas publicitárias de produtos alimentícios voltadas para as crianças.De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 30 segundos de propaganda são suficientes para exercer forte influência sobre os jovens. ?Isso mostra o inquestionável poder de persuasão das propagandas, espaço que deveria ser explorado de modo a prevenir a obesidade?, disse Rosely.De quem é a culpa?O sócio diretor e vice-presidente de criação da agência de propaganda QG, Sérgio Lopes, reconhece que as campanhas publicitárias conseguem transformar hábitos alimentares e, em alguns casos, realmente levam o público ao consumo exagerado de determinados produtos.?O principal objetivo da publicidade é convencer o público a consumir o produto anunciado, de preferência várias vezes ao dia. Mas a intenção é divulgar um produto desconhecido e mostrar suas vantagens, e não fazer o consumidor engordar.?Para ele, a culpa do consumo desenfreado não é só da propaganda e sim de toda a cadeia de interesses por trás de um anúncio.E isso inclui, por exemplo, os fornecedores de ingredientes, a indústria de alimentos, os fabricantes de embalagem que muitas vezes não descrevem os valores nutricionais e calóricos dos alimentos no rótulo e, principalmente, a legislação do setor que, segundo o publicitário, não consegue acompanhar a evolução dos conceitos alimentares.Consciência social?Por isso, é preciso que a consciência social se movimente como um todo. O combate à obesidade infantil não se restringe a apenas proibir a propaganda. O ideal seria a criação de campanhas de esclarecimento por meio de documentários e filmes de utilidade pública, além de uma revisão da legislação alimentar para proibir os alimentos nocivos?, aponta.Nos Estados Unidos, a Coca-Cola e a Pepsi anunciaram recentemente que vão deixar de vender refrigerantes para as cantinas das escolas de ensino fundamental.A medida responde à mobilização de setores da sociedade preocupados com o aumento da obesidade entre jovens. O problema atinge 30% das crianças norte-americanas entre 6 e 11 anos.

Agencia Estado,

24 de agosto de 2005 | 11h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.