Obras do metrô de Roma revelam tesouros arqueológicos

Arqueólogos precedem os operários, liberando os sítios antes das obras de uma nova linha de transporte

Associated Press,

08 de março de 2008 | 09h12

Uma fundição de cobre do século sexto, cozinhas medievais ainda equipadas com panelas e potes e os restos de palácios renascentistas estão entre os achados apresentados na sexta-feira, 7, por arqueólogos que realizam escavações em Roma em preparação para um novo metrô. Pesquisadores vêm sondando a Cidade Eterna em 38 sítios, muitos dos quais estão perto de famosos monumentos ou vias movimentadas.   Nos últimos nove meses, vestígios - incluindo tavernas romanas e as fundações de um palácio do século 16 - apareceram na Piazza Venezia e perto do antigo fórum, onde operários preparam a construção de uma das 30 estações da terceira linha do metrô romano.  "Os achados medievais e renascentistas que vieram à luz na Piazza Venezia são extremamente importantes, por serem raros", disse a arqueóloga Mirella Serlorenzi, que trabalha no local. Serlorenzi disse que, entre as descobertas mais interessantes, estão uma cozinha do século nono, onde três potes eram usados para aquecer temperos. Apenas duas outras tinham sido encontradas, anteriormente, na Itália.    A fundição de cobre era usada para trabalhos em ligas do metal, e consistia de pequenos fornos, vestígios dos quais podem ser vistos. Pequenos lingotes de cobre foram encontrados e estão sendo analisados.   As pesquisas arqueológicas são necessárias apenas para as obras em escadarias dutos de ventilação, já que as estações ficarão a uma profundidade de até 30 metros, abaixo do nível de qualquer habitação humana prévia na cidade. Mas a maioria das escavações ainda não chegou sequer à profundidade em que devem estar as relíquias do Império Romano, onde muitas surpresas provavelmente aguardam.

Tudo o que sabemos sobre:
romaarqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.