Observatório orbital confirma buracos negros ativos em fusão de galáxias

Apenas cerca de 1% dos buracos negros supermassivos emitem grandes quantidades de energia

estadao.com.br

26 Maio 2010 | 17h52

Dados de um levantamento feito pelo satélite Swift, da Nasa, estão ajudando astrônomos a resolver a questão de por que um pequeno número de buracos negros gigantes emite quantidades imensas de energia.

 

Apenas cerca de 1% dos buracos negros supermassivos têm esse comportamento. As informações acumuladas pelo Swift, segundo nota divulgada pela Nasa,  confirmam a hipótese de que os buracos negros são "ativados" quando galáxias colidem. A agência espacial acredita que os dados podem ajudar a prever o comportamento do buraco negro no centro de nossa galáxia.

 

O estudo será publicado na revista Astrophysical Journal Letters.

 

Algumas fusões galácticas onde o Swift detectou núcleos ativos. Divulgação

 

A intensa emissão dos centros, ou núcleos, de galáxias surge da vizinhança de um buraco negro contendo entre 1 milhão e 1 bilhão de vezes a massa do Sol. Emitindo até 10 bilhões de vezes a energia do Sol, alguns desses núcleos galácticos ativos são os objetos mais luminosos do Universo.

 

"Teóricos demonstraram que a violência na fusão de galáxias pode alimentar o buraco negro central", disse, em nota, Michael Koss, principal autor do estudo.

 

Até o levantamento feito pelo Swift, os astrônomos não tinham certeza de terem feito um censo correto da maioria dos núcleos ativos. Nuvens espessas de poeira e gás circundam os buracos negros em uma galáxia ativa, o que pode bloquear radiação ultravioleta, luz visível e raios X "moles", ou de baixa energia.

 

A radiação infravermelha da poeira aquecida próxima ao buraco negro pode passar através do material, mas acaba se confundindo com o infravermelho de outras partes da galáxia. A pesquisa feita pelo Swift se concentrou nos raios X "duros", ou de alta energia.

 

A pesquisa, sensível a núcleos galácticos ativos até 650 milhões de anos-luz da Terra, descobriu dezenas de sistemas até então desconhecidos.

Mais conteúdo sobre:
galáxias fusões buraco negro raios x swift

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.