Oceanos se aquecem mais rápido do que previsto, mostra estudo

Um estudo de investigação científicadescobriu falhas existentes há décadas na medição datemperatura dos oceanos e revelou que as águas dos mares estãose aquecendo e aumentando de nível de modo mais rápido do queconstatado anteriormente. Ao reportar suas descobertas na revista científica Nature,nesta quinta-feira, uma equipe de cientistas de vários paísesse baseou em milhões de medições recolhidas por navios desde1950, mas em especial a partir de 1960, e revelou um erro deinformação de um teste comum chamado XBT (sensores jogados dosnavios). Ao corrigir os dados recolhidos por décadas, bem como pormeio da aplicação de uma análise estatística complexa aos dadosde temperatura dos oceanos, a equipe obteve uma estimativaglobal do aquecimento nas camadas superiores da água, até 700metros abaixo da superfície, e também sobre a rapidez doaumento do nível dos oceanos. "Nós mostramos que o ritmo do aquecimento dos oceanos noperíodo de 1961 a 2003 é cerca de 50 por cento maior do que onotificado anteriormente", disse a integrante da equipe CatiaDomingues, do Centro Australiano para Pesquisa de Clima eTempo. Outro cientista que assina o texto, John Church, afirmouque há muito tempo suspeitava dos dados históricos porque nãobatiam com os resultados de modelos feitos em computador sobreos oceanos e o clima da Terra. "Nós realinhamos as observações e, como resultado, osmodelos se adequaram muito melhor do que antes às observações",disse Church, cientista sênior na instituição australiana. "Portanto, ao comparar de um modo estatístico muitasobservações XBT com observações de pesquisas feitas de navios,você pode fazer uma estimativa sobre quais são os errosrelacionados ao XBT", acrescentou ele. Isto é crucial porque os oceanos armazenam mais de 90 porcento do calor no sistema climático do planeta e podem atuarcomo um pára-choque contra os efeitos de mudanças climáticas,disse Domingues. A água também se expande à medida que se aquece, elevando onível dos mares, além de apressar o degelo de geleira e camadasde gelo na Groenlândia e partes da Antártida. Church disse que a média do aquecimento da superfície doplaneta entre 1961 e 2003 ficou em cerca de 0,4 grauscentígrados, segundo as estimativas de sua equipe, os mares seelevaram em média 1,6 milímetros por ano nesse período.

DAVID FOGARTY, REUTERS

19 de junho de 2008 | 12h06

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIAOCEANOSAQUECE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.