OMS confirma suspeita de H5 em humanos na China

A porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Roy Wadia, confirmou neste domingo que as autoridades chinesas estão investigando três casos suspeitos de gripe aviária em humanos, todos eles na província de Hunan, região central daquele país."O Ministério da Saúde nos informou sobre três possíveis contágios do H5N1 em Hunan. Uma pessoa morreu e outras duas estão em situação estável", declarou Wadia, pouco após receber a informação das autoridades chinesas.A suposta primeira vítima fatal do vírus na China é uma menina de 12 anos chamada He Yin, que morreu em outubro após ter comido um frango que tinha morrido pouco antes por causas desconhecidas, na localidade de Wantang, onde foi detectado o sétimo foco em animais neste ano.Os outros dois infectados seriam o irmão da menina, de 10 anos, e um professor de uma escola de uma localidade próxima, que aparentemente também matou, cozinhou e comeu um frango.Os dois "estão em observação". As autoridades chinesas "estão recolhendo amostras dos doentes e analisando sua evolução e a produção de anticorpos", para determinar o diagnóstico. "Parece que os dois estão melhores", disse Wadia.A princípio, as autoridades chinesas disseram que He morreu de "pneumonia aguda". Pode ser difícil confirmar o motivo da morte da menina, já que seu corpo foi incinerado pouco após sua morte, segundo Wadia.A OMS, segundo o Ministério da Saúde chinês, "provavelmente participará da investigação" realizada pelas autoridades, que, segundo a agência estatal Xinhua, pediram a colaboração do organismo internacional."Nestas zonas rurais não há laboratórios com capacidade suficiente para realizar os testes. Demora um tempo para passar esta informação aos diferentes níveis da Administração, iniciar a investigação, conseguir uma confirmação", declarou Wadia.A porta-voz disse que, mesmo após o início da participação da OMS nas investigações, "pode demorar dias até serem obtidos os resultados definitivos sobre estes casos".Se estes casos forem confirmados, estas três pessoas seriam as primeiras vítimas do vírus H5N1 na China, onde foram detectados oito focos em animais neste ano, quatro deles no último mês, em diferentes regiões do país.Os primeiros focos foram detectados em aves migratórias, mas o vírus parece ter se espalhado entre animais de granja, pois o último foco, em Liaoning, causou a morte de quase 9.000 frangos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.