OMS critica China por não partilhar amostras do vírus H5N1

O principal responsável da Organização Mundial da Saúde (OMS) na Ásia Oriental criticou hoje a China por não compartilhar amostras do vírus da gripe aviária, o que poderia dificultar o processo de pesquisa da doença no mundo todo.Em entrevista coletiva em Pequim, o diretor-geral da OMS no Pacífico Ocidental, Shigeru Omi, assegurou que embora a cooperação entre China e a organização tenha melhorado, esse país ainda não forneceu nenhuma amostra dos 31 surtos da gripe aviária registrados em animais este ano.Omi, que disse ignorar as razões do atraso, ressaltou que essa informação é "vital" para saber como o vírus sofreu mutação, pois os cientistas chineses já reconheceram que o H5N1 encontrado em aves do país não é igual ao dos casos do Vietnã."Até agora, a pesquisa de vacinas tem como base as amostras do Vietnã, até os cientistas chineses trabalham a partir delas. Se a doença se tornar uma pandemia através dos casos chineses, e não os vietnamitas, o mundo não está preparado", reconheceu Omi.Omi, que visitou uma das zonas afetadas pelo H5N1 na China e se reuniu com as autoridades nacionais de Agricultura e Saúde, reconheceu que o número de casos no país asiático caiu em dezembro, mas afirmou que "é preciso seguir em alerta", e previu que os surtos voltarão a proliferar em fevereiro de 2006.Desde 2003 o vírus da gripe aviária afetou 139 pessoas, causando 71 mortes na Indonésia, Vietnã, Tailândia, Camboja e China, além de dezenas de milhões de aves.

Agencia Estado,

23 de dezembro de 2005 | 09h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.