Ondas de celulares aumentam mortalidade entre ratos

Segundo estudo, exposição a esse tipo de radiação também deteriora a memória dos roedores

Efe

24 de junho de 2008 | 15h28

A taxa de mortalidade entre os ratos aumenta e sua memória se deteriora após longas exposições às ondas de radiação emitidas pelos telefones celulares, segundo a tese de doutorado do pesquisador belga Dirk Adang, cujos resultados são revelados nesta terça-feira, 24, pelo jornal Le Soir. Adang defendeu ontem, na Universidade Católica de Louvain-La-Neuve, sua tese dedicada aos efeitos das ondas lançadas pelo aparelho na saúde de 124 ratos de laboratório. Para seu estudo, expôs três grupos de ratos durante 18 meses (70% da média de vida dos roedores), por duas horas ao dia, a níveis diferentes de ondas, enquanto outros animais ficaram em um grupo de controle não exposto às ondas. Nos três grupos de ratos expostos à radiação, as taxas de mortalidade alcançaram 48,4%, 58,1% e 61% - muito superiores aos 29% do grupo de controle. Adang verificou também o impacto das ondas sobre a memória dos roedores e concluiu que uma longa exposição de 15 meses lhes causou "evidentes perdas de memória". A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que se espere até 2015 para avaliar o impacto das ondas de radiação no homem, já que o telefone celular surgiu com força em 1998, lembra o investigador. Segundo o diretor da tese, o catedrático André Vander Vorst, "as normas atuais de radiação máxima na maior parte dos países europeus não são suficientemente rigorosas, exceto na Suíça e em Luxemburgo". "Os outros países parecem estar esperando os resultados dos estudos de 2015", explica Vander Horst, que é a favor de normas mais rigorosas mesmo antes de ser provado que a radiação emitida por celulares é perigosa para a saúde. O cientista diz que ficou impressionado com a amplitude dos resultados, mas reconhece que é necessário ser muito prudente na hora de transferir o resultado desta pesquisa para o ser humano, já que é preciso levar em consideração fatores como a morfologia, a pele e o relógio biológico, dentre outros.

Tudo o que sabemos sobre:
ciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.